sábado, maio 18, 2024
Home Mundo À CNN, premiê do Japão alerta mundo para ponto de virada histórico na segurança global

À CNN, premiê do Japão alerta mundo para ponto de virada histórico na segurança global

por elizabethmatravolgyi
0 Comente
a-cnn,-premie-do-japao-alerta-mundo-para-ponto-de-virada-historico-na-seguranca-global

As crescentes tensões geopolíticas levaram o mundo a um “ponto de virada histórico” e estão forçando o Japão a mudar a sua postura de defesa, disse o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, à CNN no domingo (7), antes de um encontro com o presidente dos EUA, Joe Biden, na próxima semana.

“Enquanto testemunhamos a agressão da Rússia na Ucrânia, a situação contínua no Oriente Médio, bem como a situação no Leste Asiático, enfrentamos um ponto de virada histórico”, disse Kishida durante uma entrevista na sua residência privada em Tóquio.

“É por isso que o Japão tomou a decisão de reforçar fundamentalmente as suas capacidades de defesa e mudamos a política de segurança do Japão nestas frentes”, disse ele.

Face aos crescentes desafios de segurança, sublinhou o primeiro-ministro, a aliança Japão-Estados Unidos está tornando-se “cada vez mais importante”, uma visão que ele disse esperar que angariasse apoio bipartidário em Washington.

Kishida fez os comentários dias antes de sua reunião de quarta-feira com Biden em Washington, onde também discursará em uma sessão conjunta do Congresso e participará da primeira cúpula trilateral entre Japão, Estados Unidos e Filipinas.

O encontro Kishida-Biden foi caracterizado por Washington como uma oportunidade histórica para os dois países modernizarem a sua aliança, uma vez que ambos olham para as ameaças regionais, desde os testes de armas da Coreia do Norte e as relações crescentes com a Rússia até à agressão da China à Taiwan.

A parceria com o Japão tem sido fundamental para a estratégia dos EUA no Indo-Pacífico, mas a relação de defesa expandiu-se sob Kishida, que elevou o perfil do Japão na segurança global e regional.

Afastando do passado pacifista

Desde que assumiu o cargo em 2021, o primeiro-ministro supervisionou uma mudança radical na postura de defesa de Tóquio, afastando-se da constituição pacifista que lhe foi imposta pelos Estados Unidos no rescaldo da Segunda Guerra Mundial, para aumentar os gastos com defesa para cerca de 2% do seu PIB até 2027 e adquirir capacidades de contra-ataque.

Essa medida não é isenta de controvérsia, especialmente na China em outras partes da Ásia que sofreram sob o militarismo japonês da época da Segunda Guerra Mundial.

Quando questionado sobre essa mudança, Kishida apontou para o ambiente de segurança “severo e complexo” que rodeia o país do Leste Asiático, a quarta maior economia do mundo.

“Na nossa vizinhança, há países que estão desenvolvendo mísseis balísticos e armas nucleares, e outros que estão construindo as suas capacidades de defesa de uma forma opaca. Além disso, há uma tentativa unilateral de mudar o status quo, pela força, tanto no Mar da China Oriental como no Mar da China Meridional”, disse ele, numa aparente referência à agressão marítima chinesa relacionada com disputas territoriais tanto com as Filipinas como com o Japão.

Construir a capacidade de dissuasão e resposta do Japão também é “essencial” para a aliança com os Estados Unidos, argumentou.

“Espero que os EUA compreendam isto e que possamos trabalhar juntos para melhorar a paz e a estabilidade na região. Acho que é importante mostrar ao resto do mundo que os EUA e o Japão irão desenvolver ainda mais a nossa colaboração, através da minha visita”, disse Kishida.

Os eventos da próxima semana também serão uma plataforma para aprofundar a expansão entre o Japão e outro importante parceiro regional dos EUA e também tratado de defesa mútua, as Filipinas.

Acontece menos de um ano depois de uma reunião inovadora entre os EUA, o Japão e a Coreia do Sul que focou nas estratégias de segurança Indo-Pacífico da América e o impulso para aumentar a coordenação com aliados e parceiros no meio de tensões regionais crescentes.

‘Mais forte do que nunca’

A visita de Kishida a Biden na próxima semana também ocorre num momento em que ambos os líderes enfrentam circunstâncias incertas em casa.

O primeiro-ministro japonês enfrenta índices de aprovação sombrios, principalmente após os escândalos envolvendo o seu partido, e as próximas eleições nos EUA aumentam o potencial de uma mudança política se o ex-presidente Donald Trump regressar à Casa Branca no próximo ano.

Tanto durante a sua administração como nos anos mais recentes, Trump despejou repetidamente água fria nos tratados de defesa e segurança de Washington, algo que abalou aliados tanto na Ásia como na Europa.

Kishida não quis comentar se estava preocupado com o retorno do ex-presidente. Em vez disso, expressou a convicção de que a importância da aliança EUA-Japão era amplamente reconhecida “independentemente da filiação partidária”.

“A relação entre o Japão e os Estados Unidos tornou-se mais forte do que nunca. Independentemente do resultado das eleições presidenciais, penso que é importante garantir que o povo americano reconheça a importância da relação Japão-EUA”, disse ele.

Desde que assumiu o cargo, Kishida também posicionou o Japão como parceiro dos EUA, não apenas na Ásia, mas a nível mais global.

Ele defendeu a visão de que a segurança na Europa e no Indo-Pacífico estão inextricavelmente ligadas, ao mesmo tempo que emergiu como um firme apoiador da Ucrânia e se alinhou aos países do G7 na sua posição em relação à Rússia.

Essas ligações têm sido próximas do Japão, à medida que os militares russos e chineses realizam exercícios conjuntos na região e a Coreia do Norte é agora acusada pelos países do G7 de fornecer armas a Moscou para utilização na guerra na Ucrânia – levantando preocupações globais sobre uma crise emergente entre o eixo dos três países que têm relações tensas com os Estados Unidos.

Kishida também observou que o seu governo está fazendo “abordagens de alto nível” para garantir uma reunião com o líder norte-coreano Kim Jong Un para resolver “questões pendentes” e promover relações estáveis ​​entre os dois países.

O Japão, ao lado da Coreia do Sul, está na linha de frente do agressivo programa de testes de armas da Coreia do Norte, com os seus mísseis de teste caindo regularmente em águas regionais. A questão dos cidadãos japoneses raptados pela Coreia do Norte há mais de décadas também permaneceu um ponto de discórdia especialmente emocional.

Kishida disse que o seu governo estava monitorando as trocas de equipamento entre Pyongyang e Moscou e destacou os exercícios militares conjuntos entre a China e a Rússia, descrevendo tal cooperação como “preocupante, no que diz respeito à ordem e estabilidade internacionais”.

“Ao mesmo tempo, é importante transmitir uma mensagem firme à Coreia do Norte e à China de que é importante para a paz, a estabilidade e a prosperidade da comunidade internacional manter uma ordem internacional livre e aberta baseada no Estado de direito, Kishida disse.

“Devemos também cooperar com eles para promover uma comunidade internacional forte, não uma comunidade de divisão e confronto”, acrescentou. “Acredito que é importante cooperar com os Estados Unidos e os nossos aliados para criar uma atmosfera de cooperação, não de divisão e confronto, para fazer avançar a comunidade internacional.”

Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

Facebook Twitter Youtube Linkedin Envelope Instagram

categorias noticias

noticias recentes

Charles 3º aparece com Camilla em seu primeiro cartão de Natal como rei Após 25 dias, cápsula de missão lunar sem tripulação cai no Oceano Pacífico Após contagem regressiva, luzes de árvore de Natal de Lisboa falham e vídeo...

as mais lidas

Charles 3º aparece com Camilla em seu primeiro cartão de Natal como rei Após 25 dias, cápsula de missão lunar sem tripulação cai no Oceano Pacífico Após contagem regressiva, luzes de árvore de Natal de Lisboa falham e vídeo viraliza “Nossa simples existência é ilegal”: russos LGBTQIA+ temem pelo futuro

News Post 2025 © Todos direitos reservados