sábado, maio 18, 2024
Home Mundo Análise: Como a Otan pode reverter anos de mau financiamento em defesa

Análise: Como a Otan pode reverter anos de mau financiamento em defesa

por karolineporto
0 Comente
analise:-como-a-otan-pode-reverter-anos-de-mau-financiamento-em-defesa

A história de 75 anos da Otan pode ser descrita em três atos, cada um definido por ameaças existenciais à segurança ocidental.

Primeiro, houve a Guerra Fria e a ameaça soviética. Segundo, nas décadas de 1990 e 2000, quando a Otan destacou tropas pela primeira vez na Bósnia e no Kosovo, seguidas pelo Afeganistão e pelo Iraque.

A partir de 2014, o terceiro ato é representado pela invasão da Ucrânia pelo presidente russo, Vladimir Putin. Junto a isso, o Estado Islâmico trouxe ameaças armadas de volta às fronteiras da aliança, em um momento em que os Estados Unidos e os seus aliados estavam lentamente recuando do mundo.

O quarto ato da Otan pode ser definido por uma crise que se desenvolveu em câmara lenta.

Durante mais de uma década, os aliados gastaram cronicamente pouco na defesa, enquanto os adversários do Ocidente modernizaram e reforçaram as suas próprias capacidades militares. A forma mais óbvia de compreender o impacto disso é através da invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia em 2022.

É claro que o maior responsável pela invasão da Rússia é o próprio Putin. Mas as pessoas diretamente envolvidas na política de segurança ocidental dizem que os avisos sobre a necessidade de melhorar as defesas foram ignorados em favor do equilíbrio na sequência da crise financeira de 2008.

Rasa Juknevičienė, ministro da Defesa da Lituânia entre 2008 e 2012, recorda uma reunião com autoridades dos EUA no Pentágono em 2012, onde indivíduos “de todos os lados, incluindo os EUA, reconheceram que a Rússia estaria em posição de testar a Otan até 2019”.

Apesar de saberem do risco, em 2014, apenas três dos então 30 aliados conseguiram cumprir a meta da Otan de 2% do PIB em despesas com defesa. Em 2019, esse número subiu apenas para sete.

Em declarações à CNN, Juknevičienė, agora membro do Parlamento Europeu, disse: “A Otan estava sonolenta na década de 2010, focada na guerra ao terror e não nas ameaças regionais. Os gastos com a defesa permaneceram baixos em todo o Ocidente, não apenas por causa das pressões orçamentais, mas também porque todos – incluindo os EUA – estavam com medo de provocar a Rússia”.

“Na minha opinião, isso significava que a Rússia podia ver que a Otan não levava a sério a sua própria defesa, o que tornou a invasão da Ucrânia muito menos intimidante”.

O subfinanciamento dos orçamentos de defesa durante um longo período tem múltiplas consequências – desde um menor número de tropas a equipamentos com manutenção deficiente. Mas no contexto da guerra na Ucrânia, os estoques limitados e em rápida diminuição de munições para o Ocidente dar a Kiev foram possivelmente os mais prejudiciais.

Forças especiais ucranianas preparam suas armas na região de Bakhmut / Kai Pfaffenbach/Reuters

“Uma coisa é absolutamente certa: se os aliados na Europa tivessem atingido a sua meta de 2% – em particular, a Alemanha – haveria muito mais armas para dar à Ucrânia sem enfraquecer a defesa dos seus próprios países, respectivamente”, disse John Herbst, ex-embaixador dos EUA na Ucrânia, à CNN. “Talvez se houvesse mais armas teria havido um maior impedimento para Putin”, acrescentou.

É importante notar que não era função da Otan proteger a Ucrânia de invasões. A Ucrânia não é membro da Otan e só declarou formalmente a sua intenção de aderir após a invasão de 2022. No entanto, a natureza do apoio dos aliados da Otan à Ucrânia – em grande parte, apoio militar direto – expôs a vulnerabilidade que anos de subfinanciamento causaram à aliança.

Não se trata apenas de baixos gastos militares significarem baixos estoques de armas. A falta de demanda significa que não há incentivo para as empresas privadas de armamento investirem na fabricação de armas.

Em outras palavras, você pode ter todo o dinheiro do mundo, mas não pode comprar armas que não existem. Entretanto, a Rússia expandiu enormemente a sua própria produção de munições e recorreu a adversários ocidentais, incluindo a Coreia do Norte e o Irã, para obter armas adicionais.

“Não há dúvida de que os EUA e os seus aliados não têm indústrias de armas que produzam equipamento suficiente para uma guerra entre grandes potências”, disse Herbst.

Isso foi reconhecido pelos membros da Otan. Mais aliados do que nunca estão agora cumprindo o compromisso de despesas mínimas de 2%, e esse valor deverá aumentar antes da cúpula em Washington, em maio – um evento para assinalar o 75º aniversário da criação da Otan, em 4 de abril de 1949.

As autoridades da Otan, muitas vezes cínicas e céticas, estão excepcionalmente otimistas quanto ao fato dos governos de tantos países estarem levando mais a sério os gastos – especialmente na aquisição de armas.

Militares ucranianos carregam um caminhão com mísseis Javelin anti-tanque / Sergey Supinsky/AFP/Getty Images

O líder do bloco, Jens Stoltenberg, disse em fevereiro que esperava que 18 dos seus membros gastassem pelo menos 2% do seu PIB na defesa neste ano.

Foram prometidos bilhões de dólares, bem como esquemas de nações individuais para comprar e aumentar a produção de munições e armas. Mas a maioria dos planos elaborados pelos responsáveis são, na realidade, de longo prazo – leva tempo para construir fábricas e treinar funcionários.

Isso significa que o desafio que se coloca agora aos aliados da Otan não é apenas como poderão satisfazer a procura de armas proveniente da Ucrânia, mas como reverter anos de subfinanciamento das suas próprias defesas?

Diplomatas europeus, especialmente dos países bálticos, descrevem frequentemente a necessidade não apenas de encher o armazém que foi esvaziado com a entrega de armas à Ucrânia, mas também de construir um novo armazém que, também, necessita das suas próprias armas.

Assim, mesmo com as novas promessas de despesas, ainda levará muito tempo para chegarmos onde a maioria dos responsáveis em defesa europeus reconhecem agora que deveriam estar os estoques de munições.

Uma pessoa perfeitamente consciente disso é o próprio Stoltenberg. Falando na quarta-feira (3) em Bruxelas, antes de uma reunião dos ministros das Relações Exteriores da aliança, o secretário-geral disse que a Otan “poderia assumir mais responsabilidade pela coordenação do equipamento militar e treinamento da Ucrânia”.

Stoltenberg acrescentou que os aliados deveriam “se comprometer com mais apoio à Ucrânia e depender menos de contribuições voluntárias”. “Devemos ter uma assistência de segurança garantida, confiável e previsível à Ucrânia”, disse ele.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, em coletiva de imprensa no dia de cerimônia na sede da organização após adesão da Suécia à aliança, em Bruxelas, Bélgica / 11/03/2024 REUTERS/Yves Herman

Peter Ricketts, ex-embaixador do Reino Unido na Otan, disse à CNN que, embora mais países atingindo a marca dos 2% seja inegavelmente uma coisa boa, “o dinheiro novo leva anos para se transformar em capacidade. E não basta agora que a ameaça aumentou na Europa. Especialmente levando em conta o risco de uma futura presidência de Trump se afastar da Europa”.

A situação em que a Otan se encontra aos 75 anos é incomum. Por um lado, pode-se argumentar que as coisas estão mais otimistas do que há muito tempo. Os países estão relativamente unidos quanto ao que precisa ser feito a longo prazo e estão amplamente dispostos a pagar por isso.

Novas iniciativas em assuntos como forças de resposta rápida, exercícios de treino e envio de tropas estão sendo coordenadas centralmente. A aliança até expandiu, com a Finlândia e a Suécia se juntando às suas fileiras no ano passado.

Douglas Lute, ex-embaixador dos EUA na Otan, disse à CNN: “Acho que o copo está meio cheio, e não meio vazio. Penso que em um mapa do mundo, a fronteira territorial da Otan é a linha vermelha mais brilhante, e os aliados estão a tornando ainda mais brilhante através de novas iniciativas”

“Se perguntarmos se a Otan é suficientemente forte para dissuadir Putin de um ataque direto, diria que devemos julgar as capacidades e as intenções dele. O fato é que Putin respeitou as fronteiras da Otan”.

No entanto, antigos ressentimentos permanecem. Alguns aliados não confiam que outros serão tão generosos com os gastos com defesa se a guerra Rússia-Ucrânia terminar. E os responsáveis dos países que historicamente cumpriram os seus compromissos ainda veem os seus homólogos como aproveitadores que poderão não aprender as lições dessa guerra travada à sua porta.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

Facebook Twitter Youtube Linkedin Envelope Instagram

categorias noticias

noticias recentes

Charles 3º aparece com Camilla em seu primeiro cartão de Natal como rei Após 25 dias, cápsula de missão lunar sem tripulação cai no Oceano Pacífico Após contagem regressiva, luzes de árvore de Natal de Lisboa falham e vídeo...

as mais lidas

Charles 3º aparece com Camilla em seu primeiro cartão de Natal como rei Após 25 dias, cápsula de missão lunar sem tripulação cai no Oceano Pacífico Após contagem regressiva, luzes de árvore de Natal de Lisboa falham e vídeo viraliza “Nossa simples existência é ilegal”: russos LGBTQIA+ temem pelo futuro

News Post 2025 © Todos direitos reservados