domingo, abril 14, 2024
Home Mundo Análise: derrota de Trump em julgamento por fraude resume uma vida definida por quebrar as regras

Análise: derrota de Trump em julgamento por fraude resume uma vida definida por quebrar as regras

por karolineporto
0 Comente
analise:-derrota-de-trump-em-julgamento-por-fraude-resume-uma-vida-definida-por-quebrar-as-regras

A forma de fazer negócios de Donald Trump é uma janela para a sua alma. Portanto, a sua perda devastadora na sexta-feira (16) em um caso de fraude em Nova York que ameaça o império sobre o qual ele construiu a sua mitologia da arte do negócio resume mais do que uma derrota legal.

Oferece um estudo do caráter do comportamento, das crenças e da visão de mundo que definem o DNA de uma figura irreprimível e de força desenfreada que está novamente destruindo a unidade, as instituições, a democracia e o Estado de direito americanos à medida que outra eleição controversa se aproxima.

Um julgamento, que Trump contaminou com histrionismo e desprezo pelo sistema judicial, e o julgamento final e contundente do juiz Arthur Engoron, revelou quatro códigos fundamentais que explicam o caminho tumultuado de Trump através de uma vida que ele simplesmente vê como um fluxo interminável de negócios e acordos políticos que ele deve fechar.

São eles:

  • Trump acha que as regras são para as outras pessoas. Ele sempre as quebrará na busca por mais riqueza, mais atenção ou mais votos.
  • Se a realidade não dá ao ex-presidente o que ele deseja, ele evoca uma nova.
  • Trump sempre se sente obrigado a brigar – mesmo quando recuar seria mais inteligente.
  • E quando finalmente chega a responsabilização, ele vê a justiça como um ato de perseguição por parte dos seus inimigos.

Essas características de Trump saltam de uma decisão surpreendente de 92 páginas proferida por Engoron, que deixou Trump enfrentando um buraco de meio bilhão de dólares nas suas finanças devido a penalidades e obrigações nesse e em outros casos.

O juiz resumiu a recusa descarada do ex-presidente em seguir as mesmas regras sob as quais todos os outros devem viver – e que, neste caso, são a chave para um sistema bancário e econômico funcional – com as palavras: “As fraudes encontradas aqui saltam da página e chocam a consciência”.

Mas as evidências nunca influenciaram Trump antes e não o farão agora, apesar da sua derrota esmagadora. Sempre que perde, ele simplesmente dobra a aposta com uma falsidade ainda maior – neste caso, a de que um processo legal justo foi simplesmente um ataque político do presidente Joe Biden.

“Tudo vem do Departamento de Justiça, tudo vem de Biden”, disse Trump. “É uma caça às bruxas contra o seu adversário político, como o nosso país nunca viu”.

O clímax do caso aprofundou o extraordinário pântano jurídico que Trump enfrenta, que está envolvido em vários casos e enfrenta o primeiro de seus julgamentos criminais no próximo mês.

O julgamento retrata Trump, seus filhos adultos e a sua empresa, a Trump Organization, desrespeitando a ética empresarial, as regras e as leis para inventar avaliações de seus ativos imobiliários para obter empréstimos favoráveis e, ainda mais notável, recusando-se a aceitar os fatos de sua conduta quando confrontado com as evidências.

Ex-presidente dos EUA Donald Trump e juiz Arthur Engoron ouvem argumentos da advogada Alina Habba, durante julgamento de Trump em croqui do tribunal em Nova York /REUTERS/Jane Rosenberg

Na prática, a decisão de Engoron vai impor graves tensões financeiras e pessoais a Trump, à medida que ele emerge como o quase certo candidato presidencial republicano.

Embora Trump se vanglorie muitas vezes de ser bilionário, não está claro se ele tem liquidez para pagar o que deve ou se alguns dos “belos edifícios” e resorts de golfe sobre os quais ele frequentemente se dedica com carinho em discursos de campanha estão em risco.

Se isso retratar o ex-presidente como menos rico do que ele afirma poderia ameaçar a mística do magnata sobre a qual ele construiu a sua marca política e a sua autoidentidade.

Sinais de alerta para Trump

Talvez o mais preocupante para Trump seja o fato da derrota de sexta-feira sugerir que o escudo de impunidade que permitiu a sua desenfreada carreira política e empresarial está se desgastando.

Isso acontece apenas três semanas depois de um júri em um caso de difamação em Manhattan ter concedido à escritora E. Jean Carroll US$ 83 milhões em indenização por danos compensatórios por declarações públicas que ele fez em 2019, depreciando-a e negando suas acusações de estupro.

Embora a estratégia do ex-presidente de basear as suas defesas legais em um argumento político de que é vítima de perseguição por parte da administração Biden possa estar funcionando na campanha – pelo menos por enquanto – não é páreo para os padrões exigentes de um tribunal.

Em um momento decisivo do julgamento por fraude de Trump, quando ele estava efetivamente fazendo um discurso de campanha no banco dos réus, Engoron perguntou ao advogado de Trump: “Você consegue controlar o seu cliente?”. Claro, ninguém jamais foi capaz de fazer isso.

Ex-presidente dos EUA Donald Trump e sua advogada Alina Habba enquanto ela fala à mídia em uma de suas propriedades, 40 Wall Street, após os argumentos finais em seu julgamento por fraude civil em 11 de janeiro de 2024
Ex-presidente dos EUA Donald Trump e sua advogada Alina Habba enquanto ela fala à mídia em uma de suas propriedades, 40 Wall Street, após os argumentos finais em seu julgamento por fraude civil em 11 de janeiro de 2024 em Nova York / Spencer Platt/Getty Images

Mas a decisão de Engoron mostra que o sistema legal tem o poder de restringir Trump e impor as consequências que faltam ao sistema político, apesar de dois impeachments e de uma eleição presidencial perdida.

Isso deve ser uma preocupação para Trump, uma vez que enfrenta quatro julgamentos criminais, e pode explicar em parte o seu desejo de reconquistar o poder, uma vez que a autoridade presidencial poderia ajudá-lo a bloquear ou reverter condenações – pelo menos em casos federais.

Trump também está recebendo um golpe duplo de Nova York, a cidade e estado grandioso onde construiu arranha-céus imponentes e uma personalidade ultrajante baseada em uma atitude de que toda publicidade é boa publicidade em relação aos tablóides dos anos 1980.

Na quinta-feira (15), outro juiz de Nova York fixou o dia 25 de março como data de início para seu primeiro julgamento criminal – por causa de pagamentos secretos a uma ex-estrela de cinema adulto.

No dia seguinte, o império imobiliário que literalmente mudou o horizonte de Manhattan foi abalado pelo veredito de Engoron.

Há muito que Trump se mudou para a Flórida, mas a proibição de Engoron de dirigir uma empresa de Nova York durante três anos ainda irá doer.

A ousadia e os altos riscos de Nova York fizeram de Trump quem ele é. Mas sua estranheza também fez dele repetidamente um estranho em Manhattan.

E agora a cidade está rejeitando-o novamente, como parte de uma tendência de longo prazo que certamente moldou a super habilidade política de Trump – a sua capacidade de identificar e aproveitar a frustração dos americanos que se sentem rejeitados e condescendentes pelas elites políticas, econômicas e mediáticas da Costa Leste.

É muito cedo para dizer como a derrota de Trump na sexta-feira afetará a sua campanha política.

A vertiginosa série de casos contra ele apenas consolidou seu vínculo com os eleitores do Make American Great Again, que acreditaram em sua narrativa de perseguição habilmente elaborada que resgatou uma campanha eleitoral inicialmente sem brilho em 2024 e o deixou prestes a conquistar sua terceira indicação republicana consecutiva.

A vantagem do sentimento de vitimização de Trump é que cada revés o alimenta ainda mais. Um dos seus aliados mais próximos, a deputada Elise Stefanik, de Nova York, foi, portanto, capaz de ignorar as provas esmagadoras reveladas no caso da sua prevaricação para declarar: “O povo americano não apoiará isto; eles elegerão o presidente Trump como nosso 47º presidente dos Estados Unidos”.

Mas, apesar de todas as vulnerabilidades políticas de Biden, é difícil ver como a lista crescente de perdas legais de Trump melhorará sua posição junto aos eleitores suburbanos moderados e indecisos dos estados que abriram caminho para sua derrota em 2020.

Sua competidora republicana remanescente, Nikki Haley, está enfatizando esse ponto em seus comícios. “Em março e abril, ele está em um processo judicial.

Maio e junho, ele está em outro”, disse Haley durante a campanha na quinta-feira, antes das primárias da Carolina do Sul. “Ele já disse que passará a maior parte deste ano em um tribunal, não em campanha. Essa não é a maneira de você vencer”.

A decisão de sexta-feira pode vir a ser mais um golpe para os republicanos em uma semana em que perderam uma eleição especial importante em Nova York e a maioria do Partido Republicano na Câmara deixou Washington em desordem.

Biden, depois de um momento difícil dominado por questões sobre sua idade, teve uma semana melhor, já que a vitória eleitoral de Tom Suozzi esfriou o pânico entre os democratas sobre suas perspectivas para 2024 e depois que o FBI acusou um ex-informante de mentir, em um movimento que eviscerou o inquérito de impeachment do Partido Republicano contra ele.

Regras desrespeitadas, novas realidades e uma estratégia jurídica falhada

A crença de Trump de que as regras são para os outros define a sua vida empresarial e política. É essencial, por exemplo, para a sua afirmação agora perante a Suprema Corte de que os presidentes gozam de imunidade absoluta e não podem ser processados pelas suas ações depois de deixarem o cargo.

Engoron, entretanto, maravilhou-se com a audácia do ex-presidente em desprezar a ética empresarial ao inflacionar os valores dos seus bens imobiliários e depois com a sua recusa em aceitar a verdade das suas ações quando confrontado com as provas.

“Os réus são incapazes de admitir o erro de seus métodos. Em vez disso, eles adotam uma postura de ‘não ver o mal, não ouvir o mal, não falar o mal’, que as evidências desmentem”, escreveu ele.

O ex-presidente dos EUA Donald Trump e seus filhos Donald Trump Jr. e Ivanka Trump / Foto: Jabin Botsford/The Washington Post via Getty Images

Engoron explicou que um veredito tão esmagador era necessário para explicar os ganhos ilícitos de Trump – porque ele acredita que eles continuarão na ausência de um preço doloroso: “Donald Trump testemunhou que, ainda hoje, ele não acredita que a Trump Organization precisava fazer quaisquer mudanças com base nos fatos revelados durante este julgamento”.

A vontade de Trump de criar uma realidade conveniente também está no cerne do caso movido contra ele pela procuradora-geral de Nova York, Letitia James, que se baseou em acusações de que ele inflou em série os valores das suas participações para obter melhores condições de bancos e empresas financeiras e, com isso, ganhar mais dinheiro.

O ex-presidente afirma que não houve vítimas com seu comportamento e que todos ganharam dinheiro. No entanto, os americanos normais não escapariam impunes de tal conduta nas suas vidas financeiras e investimentos muito menos lucrativos.

E Engoron argumentou que era obrigado a “proteger a integridade do mercado financeiro e, portanto, do público como um todo”.

A propensão de Trump para simplesmente alterar a verdade e os fatos transferiu-se facilmente do mundo dos negócios para a política. Surgiu horas depois de sua presidência quando ele declarou que teve a maior multidão na posse de todos os tempos, apesar das fotos provarem o contrário.

E a sua maior fraude reside nas mentiras de que ganhou as eleições de 2020 e de que a Constituição deu a ele o direito de permanecer no poder apesar da sua derrota.

Afinal, o jogo de arrancar um número do ar para supervalorizar seu triplex da Trump Tower não é muito diferente de ligar para as autoridades eleitorais da Geórgia e pedir que “encontrem” votos para que ele possa anular a vitória de Biden no principal estado indeciso.

No seu livro “Never Enough”, o autor Michael D’Antonio mostra como Trump foi ensinado por um pai e professores exigentes que precisava de ser “um matador” e que vencer “era a única coisa”.

O ex-presidente dos EUA Donald Trump participa do julgamento de fraude civil da Organização Trump, em Nova York 07/12/2023 REUTERS/Mike Segar/Pool / REUTERS

Isso explica a sua incansável vontade de lutar, as suas intermináveis cruzadas legais e o seu desejo fervoroso, aos 77 anos, de reconquistar o poder depois de uma derrota eleitoral humilhante que quase destruiu a democracia americana. No entanto, essa recusa em admitir a derrota também parece estar levando Trump a um território jurídico perigoso.

A estratégia jurídica de luta a todo custo do ex-presidente parece estar fracassando. “Trump é o único que teimosamente despreza o nosso sistema judicial e se vê em turbulência jurídica”, disse Neama Rahmani, ex-promotor federal e presidente da West Coast Trial Lawyers. “Às vezes, é melhor cooperar com as autoridades ou resolver um processo civil em vez de travar uma batalha perdida”.

Para Trump, a própria batalha e o ato de quebrar regras são o próprio objetivo da existência, mesmo quando o levam a perigos legais e constitucionais. A sua filosofia errada de que, nos negócios e na vida, tudo se resume a fechar mais um acordo, significa que mesmo derrotas esmagadoras como as eleições de 2020 e o seu julgamento por fraude não podem mudá-lo.

“Eu não faço isso por dinheiro. Tenho o suficiente, muito mais do que precisarei”, escreveu Trump em “The Art of the Deal”. Ele acrescentou: “Eu faço isso por fazer. Os negócios são minha forma de arte”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

News Post 2025 © Todos direitos reservados