quarta-feira, fevereiro 14, 2024
Home Mundo Como uma bolsa da Dior abalou a política da Coreia do Sul

Como uma bolsa da Dior abalou a política da Coreia do Sul

por marianacatacci
0 Comente
como-uma-bolsa-da-dior-abalou-a-politica-da-coreia-do-sul

O presidente sul-coreano, Yoon Suk Yeol, está a meses de uma eleição crucial vista como um termômetro da sua popularidade a médio prazo, mas as pesquisas mostram que ele tem um grande problema – o mais recente escândalo em torno da sua esposa.

Kim Keon Hee, de 51 anos, não é uma típica primeira-dama na patriarcal Coreia do Sul. Ela já havia estabelecido uma carreira na organização de exposições de arte quando se casou com Yoon, então promotor, há 12 anos. O casal não tem filhos, mas possui uma ninhada de cães e gatos cujas fotos aparecem com destaque no gabinete presidencial de Yoon.

Ao contrário de suas antecessoras, que se mantiveram discretas na sombra de seus maridos, Kim tem seu próprio fã-clube e parece confortável sob os holofotes – como uma ávida promotora da cultura coreana, uma crítica vocal do comércio de carne de cachorro e uma fashionista glamorosa em viagens ao exterior com Yoon, muitas vezes vestindo roupas de marcas nacionais.

Mas foi o seu amor por bolsas de grife que empurrou a primeira-dama para o centro de uma violenta tempestade política, na qual ela foi acusada de aceitar uma bolsa Christian Dior de US$ 2.200 como presente.

Kim ainda não abordou o drama que se desenrola, apesar dos crescentes apelos por uma explicação e uma investigação, embora o seu marido tenha dito que as acusações contra ela são um “golpe político”. A CNN entrou em contato com o gabinete presidencial para comentar.

A primeira-dama conhece bem a controvérsia – nos últimos anos, ela pediu desculpas por inflar o currículo e enfrentou acusações que vão desde plágio acadêmico até manipulação de ações.

Kim não comentou publicamente as duas últimas acusações. O gabinete presidencial negou repetidamente que ela estivesse envolvida em manipulação de ações.

A última tempestade que gira em torno de Kim recusou-se a passar. Em vez disso, transformou-se numa crise total para Yoon e para o partido no poder da Coreia do Sul, à medida que se preparam para uma eleição parlamentar muito disputada em abril.

“A bolsa da Dior é a proverbial agulha que quebrou as costas do camelo”, disse Cho Hee-kyoung, professora de direito na Universidade Hongik, em Seul, citando a “ladainha interminável de escândalos” em torno de Kim desde que Yoon começou a campanha para presidente.

“Mas com a bolsa da Dior, há uma poderosa evidência visual.”

Escândalo da bolsa da Dior

A polêmica começou no final de novembro, quando um vídeo filmado secretamente apareceu online supostamente mostrando Kim recebendo uma “bolsa Lady Dior” de couro de bezerro azul-nuvem de um pastor coreano-americano, Choi Jae-young.

“Por que você continua trazendo isso? Por favor, você não precisa fazer isso”, ouve-se a primeira-dama dizendo no vídeo ao receber o presente. A filmagem não mostra ela pegando a sacola de Choi, embora uma sacola de compras da Dior seja vista colocada sobre uma mesa de centro enquanto eles continuam a conversa.

De acordo com Choi, a reunião ocorreu no escritório pessoal de Kim em sua empresa de exposições de arte em setembro de 2022, meses depois de Yoon assumir o cargo de presidente. Choi disse que gravou a reunião com uma câmera secreta escondida em seu relógio de pulso.

A filmagem foi divulgada mais de um ano depois pelo Voice of Seoul, um canal de esquerda no YouTube conhecido por ser altamente crítico ao governo conservador de Yoon. O canal também forneceu a Choi o relógio de pulso e a bolsa Dior, segundo o pastor.

A lei anticorrupção da Coreia do Sul proíbe os funcionários públicos e os seus cônjuges de receberem presentes avaliados em mais de 750 dólares no âmbito das suas funções públicas. Ao parecer não rejeitar a bolsa, Kim deu munição aos críticos que há muito a acusam de usar sua posição para ganho pessoal.

“Se há um problema, é que ela não conseguiu interrompê-lo com mais frieza e isso é lamentável”, disse o presidente sul-coreano Yoon Suk Yeol.

Na quarta-feira (7), Yoon abordou publicamente as acusações pela primeira vez, alegando que o lançamento do vídeo foi concebido para influenciar a votação de abril.

Presidente sul-coreano, Yoon Suk Yeol, na Assembleia Geral da ONU / 20/09/2023 REUTERS/Caitlin Ochs

“Isto é claramente um golpe político, envolvendo imagens de câmaras escondidas captadas há um ano e divulgadas antes de uma eleição”, disse o presidente numa entrevista à emissora pública KBS.

“No futuro, minha esposa e eu precisamos ser mais claros e firmes ao lidar com as pessoas, para que o público não se preocupe.”

Yoon não negou especificamente que sua esposa tenha aceitado a bolsa, mas lamentou que Kim não tenha sido mais resoluta com Choi.

“Minha esposa perdeu o pai durante o ensino médio, então quando as pessoas de sua cidade natal se aproximam dela, é difícil para ela ser fria com eles”, disse ele. “Ela não conseguia dizer não para ele quando ele dizia para ela visitá-lo. Se há um problema, é que ela não conseguiu interrompê-lo com mais frieza e isso é lamentável.”

Alguns apoiadores de Yoon também acusaram Choi e a Voz de Seul de armarem uma armadilha para difamar a primeira-dama e influenciar as próximas eleições. Choi, um defensor da reunificação coreana, promoveu relações amistosas com a Coreia do Norte, em contraste com a posição dura de Yoon contra Pyongyang.

Shin Pyeong, advogado e defensor próximo de Yoon, apontou as atitudes patriarcais na sociedade tradicionalmente conservadora da Coreia do Sul, dizendo que na raiz do escândalo “está a ‘misoginia’ e a ‘adoração fálica’”.

“Não há outra maneira de explicar esta estranha mania que é tendenciosa contra Kim”, disse ele numa publicação nas redes sociais em janeiro, acrescentando que na Coreia do Sul, “o preconceito contra as mulheres ainda está profundamente enraizado”.

Mas os críticos dizem que não tem nada a ver com misoginia.

“Parece que a primeira-dama busca muita atenção e parece não haver ninguém que possa controlá-la”, disse Cho, a professora de direito.

“Não acho que tenha muito a ver com patriarcado. Sua conduta seria questionável mesmo em um matriarcado”, disse ela.

Numa entrevista coletiva em janeiro, Choi defendeu o uso de uma câmera escondida para filmar Kim, dizendo que era necessário expor seu suposto abuso de sua posição como primeira-dama.

Choi disse que abordou Kim por meio de um aplicativo de mensagens para compartilhar conselhos sobre a política da Coreia do Norte quando Yoon estava concorrendo à presidência. Ele disse que ela concordou com uma reunião em junho de 2022, durante a qual sua oferta de um conjunto de cosméticos Chanel no valor de US$ 1.300 foi aceita pela primeira-dama.

Choi afirmou que pediu para se encontrar com a primeira-dama várias vezes, mas seus pedidos só foram atendidos em duas ocasiões, depois que ele lhe disse com antecedência que traria presentes caros.

Choi também afirmou que durante a reunião de junho, ele ouviu Kim falando ao telefone e soando como se estivesse se intrometendo na nomeação de um alto funcionário do governo. Ela “agiu e falou como se fosse a presidente”, disse ele em entrevista coletiva.

Choi disse que ficou chocado e decidiu gravar seu próximo encontro com a primeira-dama para obter evidências de sua interferência nos assuntos de Estado.

Nas imagens filmadas secretamente de seu próximo encontro, Kim expressa sua intenção de “se envolver ativamente em assuntos intercoreanos”. Mas foi a bolsa da Dior que causou maior alvoroço.

“A sociedade sul-coreana reage de forma mais sensível quando figuras públicas ou pessoas próximas abusam do seu poder e desfrutam de privilégios ao alavancar o seu estatuto político e social”, disse Kim Yun-cheol, professor de política na Universidade Kyung Hee.

Os eleitores sul-coreanos têm uma baixa tolerância à corrupção na sequência de escândalos de grande repercussão envolvendo antigos presidentes, incluindo a primeira mulher líder do país, Park Geun-hye, que sofreu impeachment em 2017, na sequência de protestos em massa contra a intromissão da sua confidente nos assuntos de Estado.

Yoon, que fazia parte de uma equipe especial de investigação que indiciou Park, prometeu continuar a lutar contra a corrupção como presidente.

Consequências políticas

O suposto presente já se revelou caro para a primeira-dama e seu marido.

Kim praticamente desapareceu da vista do público, enquanto o apoio a Yoon caiu para o nível mais baixo em nove meses.

A taxa de aprovação do presidente caiu para 29% em uma pesquisa semanal divulgada pela Gallup Korea. O escândalo em torno da primeira-dama foi citado como uma das principais razões por trás do descontentamento público – depois da economia e da aparente falta de comunicação de Yoon.

Em uma pesquisa Gallup Coreia no mês passado, 56% dos entrevistados disseram que Kim deveria pedir desculpas por supostamente ter recebido a bolsa Dior. Em outra pesquisa divulgada pelo canal de notícias a cabo YTN, 69% dos entrevistados disseram querer uma explicação de Yoon.

O escândalo não poderia ter surgido em pior altura para Yoon e para o Partido do Poder Popular (PPP), no poder, que se esforçam por reconquistar uma maioria no parlamento para consolidar o controle do governo conservador no poder. A eleição é vista como uma avaliação periódica do governo de Yoon. Se o PPP não conseguir retomar o controle da legislatura, Yoon provavelmente será atormentado por um impasse político durante o resto do seu mandato de cinco anos.

O principal partido da oposição, o Partido Democrata, aproveitou a questão para atacar Yoon, acusando o presidente de “ocultar suspeitas” em torno da sua esposa.

A crescente reação pública também causou um desentendimento entre Yoon e membros seniores do PPP – um responsável do partido chegou mesmo a comparar Kim a Maria Antonieta, a rainha francesa do século XVIII famosa pela sua extravagância. Alguns membros do PPP pediram desculpas a Yoon e Kim.

O líder interino do partido, Han Dong-hoon, amplamente visto como o assessor mais próximo de Yoon, reconheceu que o escândalo é “uma questão de preocupação pública”. Embora tenha chamado isso de “armação planejada usando uma câmera espiã”, o ex-ministro da Justiça admitiu que “houve vários erros no tratamento das questões”.

Pouco depois de seu comentário, Han disse à mídia sul-coreana que o gabinete do presidente lhe pediu para renunciar ao cargo de líder do partido, o que ele recusou.

Desde então, Han e Yoon parecem estar consertando barreiras, aparecendo juntos em eventos públicos. Mais tarde, Han disse à mídia local que ele e o presidente estão “de acordo sobre como servir o povo” e negou que houvesse qualquer divergência entre eles.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

News Post 2025 © Todos direitos reservados