sábado, maio 18, 2024
Home Mundo Eleições no México: onda de assassinatos coloca a própria democracia na mira

Eleições no México: onda de assassinatos coloca a própria democracia na mira

por karolineporto
0 Comente
eleicoes-no-mexico:-onda-de-assassinatos-coloca-a-propria-democracia-na-mira

Jesús Corona Damián, candidato a prefeito em Cuautla, no México, estava em um carro perto de sua casa em uma noite do mês passado, quando dois homens de moto passaram em alta velocidade e atiraram.

No dia anterior, uma gangue local havia enviado uma ameaça ao candidato, então naquela noite ele dirigiu atrás de centímetros de vidro à prova de balas. Ele sobreviveu e, em comentários aos repórteres após o ataque, emitiu uma nota desafiadora: “Chega de viver com medo, não vou desistir”.

Poucos dos aspirantes a políticos visados pelos cartéis do México no período que antecedeu as maiores eleições da história do país tiveram a oportunidade de tal resistência.

Candidatos políticos em todo o país estão sendo assassinados com uma frequência surpreendente, à medida que os grupos poderosos procuram abrir caminho para as suas escolhas preferidas.

Dois dias antes do ataque de Cuautla, o candidato a prefeito de Acatzingo, estado vizinho, foi baleado e morto no estacionamento de sua concessionária de veículos. Na semana anterior, o candidato em Pihuamo, concorrendo à reeleição após um mandato de três anos, foi morto em um cruzamento perto da praça central da pequena cidade.

Até agora, este ano, pelo menos 28 candidatos foram atacados, com 16 mortos, de acordo com dados levantados até 1 de abril pelo grupo de investigação Data Cívica, um número que deverá superar até mesmo os ciclos eleitorais mais sangrentos do passado do México.

“Esse é um momento crucial para o crime organizado influenciar quem estará no poder, quem irá fornecer proteção, informação, recursos”, disse Sandra Ley, diretora do programa de segurança do México Evalúa, um think tank de políticas públicas.

Mais de 20 mil cargos em disputa

Estima-se que 70 mil candidatos se apresentaram para participar nas eleições de 2 de junho, onde os mexicanos votarão para preencher mais de 20 mil cargos, incluindo a presidência nacional e os governos de nove estados.

A maior parte da violência concentra-se em eleições locais, onde os eleitores escolherão um líder municipal, um papel semelhante ao de um prefeito com amplo controle sobre as suas comunidades, gerindo a distribuição das receitas fiscais e o acesso aos recursos naturais, e muitas vezes comandando as forças policiais locais.

Uma eleitora mexicana tem o polegar pintado com tinta indelével para indicar que ela já votou, em 6 de junho de 2021, Atzacoaloya, México. / Hector Vivas/Getty Images

Nos municípios isolados de pontos críticos de cartéis, onde as gangues controlam as rotas do tráfico de droga e se infiltram na produção de culturas comerciais, os cargos se tornaram o principal ponto de entrada para a influência corrupta, dizem os especialistas.

Candidatos de todo o espectro político foram mortos, mas a maioria era do partido Morena, fundado pelo presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador.

À medida que os ataques a candidatos políticos aumentaram, os líderes mexicanos prometeram processos rápidos e lançaram um esforço para proteger os candidatos ameaçados com escoltas armadas. Mas analistas e dirigentes partidários alertam que a violência já esfriou algumas campanhas; dezenas de candidatos em vários estados desistiram de suas disputas temendo por suas vidas.

“O exercício democrático está em risco”, disse Guillermo Valencia, líder do Partido Revolucionário Institucional, ou PRI, em Michoacán, um dos estados mais perigosos do México.

No início desse ano, depois de dois candidatos a prefeito da cidade de Maravatío, em Michoacán, terem sido mortos em questão de horas, 10 candidatos do PRI em disputas locais em todo o estado renunciaram, disse Valencia, citando ameaças que receberam dos cartéis.

O partido de centro-direita, parte da coligação de oposição nacional, está agora em uma “marcha forçada” tentando alistar candidatos no estado, disse ele. Algumas disputas onde não se consegue encontrar um candidato disposto foram abandonadas completamente.

“Tento oferecer a eles alguma segurança, mas é praticamente inútil. Estamos em um estado de indefesa”, disse Valencia. “Os grupos criminosos estão escapando impunes”.

“Ponto cego” no programa de proteção de candidatos

Lucy Meza e sua equipe foram inundados com mensagens e telefonemas ameaçadores desde que ela anunciou sua candidatura ao governo do estado de Morelos no ano passado. “Abandone a sua candidatura porque, se não, vamos matá-la, iremos atrás de você, vamos caçá-la”, lembrou ela sobre as ameaças em entrevista à CNN na semana passada.

Meza, uma ex-senadora que concorre com um partido da oposição, criticou duramente o governador do estado, o ex-astro do futebol Cuauhtémoc Blanco, acusando-o de corrupção e ligações com o crime organizado – acusações que ele negou.

Ela propôs mais do que quadruplicar o número de policiais no estado e investir em tecnologias como o reconhecimento facial, que ajudará as autoridades a vigiar grupos criminosos conhecidos por extorquir milhões de pesos de empresas e agricultores locais.

À medida que as ameaças continuavam, Meza solicitou este ano proteção sob um programa de segurança federal para candidatos políticos. Ela agora viaja com um grupo de guarda-costas militares enquanto faz campanha por todo o estado.

“Tenho medo de que algo possa acontecer comigo ou com minha família”, disse ela.

No âmbito do programa de segurança, os candidatos podem solicitar proteção à autoridade eleitoral do país e, após uma análise, são atribuídos vários níveis de segurança com base nas ameaças que eles enfrentam.

No início de abril, 86 candidatos haviam sido aprovados para proteção de segurança do Ministério da Segurança e Proteção ao Cidadão, segundo os números da pasta.

Técnico forense trabalha em local onde a candidata Gisela Gaytán foi assassinada em Guanajuato, México / 1/4/2024 REUTERS/Juan Moreno

O programa mostrou-se promissor: durante as eleições mexicanas de 2021, quando foi introduzido, o número de ataques a candidatos diminuiu, disse Manuel Perez, investigador do Seminário sobre Violência e Paz no Colégio do México.

Ainda assim, Perez classificou como um “ponto cego” a exigência do programa de que os candidatos demonstrem que foram ameaçados antes de receberem proteção.

Políticos e analistas também expressaram preocupação pelo fato dos pedidos demorarem muito tempo a serem aprovados e poderem ser complicados pela falta de coordenação entre as burocracias federais e estaduais responsáveis pela prestação do apoio.

Na semana passada, Bertha Gisela Gaytán, candidata a prefeita em Celaya, uma cidade no estado central de Guanajuato envolvida em uma violenta guerra territorial entre gangues, disse a repórteres em um evento de campanha que havia solicitado proteção por meio do programa federal, mas estava esperando retorno. Mais tarde naquele dia, ela foi morta a tiros.

A ministra da segurança do país, Rosa Icela Rodríguez, confirmou que a autoridade eleitoral federal recebeu o pedido de proteção de Gaytán em março e o encaminhou a uma autoridade local. As autoridades estão investigando por que Gaytán ainda estava sem proteção em 1º de abril, disse Icela.

Uma ameaça à própria democracia

Ao longo da campanha, López Obrador minimizou amplamente o significado mais amplo dos ataques, argumentando que a sua administração reduziu as taxas de homicídios.

Questionado em uma entrevista se considerava o aumento da violência eleitoral como uma ameaça à democracia mexicana, López Obrador hesitou, dizendo: “Geralmente, todos participam. Há muitos candidatos de todos os partidos”.

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, fala durante coletiva de imprensa, em Acapulco, México / 20/12/2023 REUTERS/Daniel Becerril

Mas em algumas das áreas mais rurais do país, onde os grupos criminosos organizados são mais poderosos, os candidatos favorecidos pelos cartéis venceram as eleições sem oposição. Em Jilotlán, uma cidade de 10 mil habitantes à sombra do cartel de Nova Geração de Jalisco, o último ciclo eleitoral foi essencialmente cancelado.

Depois de receber ameaças de gangues locais, dois dos três candidatos a prefeito em 2021 desistiram da disputa. A vitória incontestada do candidato remanescente foi posteriormente anulada por um tribunal eleitoral federal.

“A eleição de Jilotlán de los Dolores, Jalisco, não reúne as condições de uma eleição livre e autêntica porque a insegurança gerada pelo crime organizado naquele município teve um duplo efeito: gerar eleições não competitivas e limitar o voto do cidadão”. disse o tribunal, mantendo uma decisão anterior.

Um conselho interino agora administra a cidade, embora com poucos poderes de um governo regular. Segundo Marcos Francisco del Rosario Rodríguez, diretor do departamento de estudos sociopolíticos e jurídicos da Universidade Jesuíta de Guadalajara, os grupos criminosos preencheram a lacuna em Jilotlán, proporcionando empregos e serviços à comunidade.

“É um desgoverno. A Câmara Municipal está de mãos atadas”, afirmou.

Estão previstas eleições para esse ano em Jilotlán, mas o retorno de um governo oficial não está garantido. Em fevereiro, uma coligação de três principais partidos da oposição afirmou que apresentaria um candidato em cada município, com exceção de Jilotlán.

“Há um receio fundado de que esse precedente se materialize novamente, e não apenas em Jilotlán”, disse del Rosario. “Há indícios de que o caso Jilotlán será replicado em outros municípios devido à crescente presença do crime organizado”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

Facebook Twitter Youtube Linkedin Envelope Instagram

categorias noticias

noticias recentes

Charles 3º aparece com Camilla em seu primeiro cartão de Natal como rei Após 25 dias, cápsula de missão lunar sem tripulação cai no Oceano Pacífico Após contagem regressiva, luzes de árvore de Natal de Lisboa falham e vídeo...

as mais lidas

Charles 3º aparece com Camilla em seu primeiro cartão de Natal como rei Após 25 dias, cápsula de missão lunar sem tripulação cai no Oceano Pacífico Após contagem regressiva, luzes de árvore de Natal de Lisboa falham e vídeo viraliza “Nossa simples existência é ilegal”: russos LGBTQIA+ temem pelo futuro

News Post 2025 © Todos direitos reservados