domingo, abril 14, 2024
Home Mundo Estado Islâmico tem Europa e EUA na mira após ataque mortal em Moscou

Estado Islâmico tem Europa e EUA na mira após ataque mortal em Moscou

por karolineporto
0 Comente
estado-islamico-tem-europa-e-eua-na-mira-apos-ataque-mortal-em-moscou

A ameaça do Estado Islâmico pode ter parecido estar diminuindo à medida que as manchetes se voltavam para a Ucrânia, Gaza e as próximas eleições nos EUA. Mas o ataque da semana passada a uma casa de shows em Moscou lembrou ao mundo o perigo duradouro do terrorismo islâmico e as ambições do que é conhecido como Estado Islâmico-Khorasan (Estado Islâmico-K) muito além dos seus acampamentos nas montanhas do Afeganistão.

Os analistas acreditam que o grupo tem um foco crescente na Europa – e apontam eventos como os Jogos Olímpicos de Paris deste ano como potenciais alvos.

O Estado Islâmico assumiu a responsabilidade pelo ataque terrorista em Moscou. O fato de cidadãos tadjiques estarem alegadamente envolvidos indica que o Estado Islâmico-K foi o responsável; o grupo atrai muitos membros da Ásia Central e tem um histórico de conspirações anteriores na Rússia. Autoridades dos EUA também disseram que há evidências de que o Estado Islâmico-K realizou o ataque.

O Estado Islâmico-K foi criado há nove anos como uma “província” autônoma do Estado Islâmico e, apesar de muitos inimigos, sobreviveu e provou ser capaz de lançar ataques no Paquistão, no Irã e na Ásia Central. Antes do ataque à Crocus City, o grupo havia planejado outros na Europa e na Rússia.

O comandante do Comando Central dos EUA, general Erik Kurilla, avaliou recentemente que o Estado Islâmico-K “mantém a capacidade e a vontade de atacar os interesses dos EUA e do Ocidente no exterior em apenas seis meses, com pouco ou nenhum aviso”.

Especialistas da ONU e outros – incluindo os serviços de segurança russos – estimam a força do Estado Islâmico-K entre 4 mil e 6 mil combatentes. Sanaullah Ghafari tornou-se o líder do grupo em 2020 e, apesar de relatos ocasionais sobre a sua morte, os analistas sobre terrorismo acreditam que ele continua a ser um líder eficaz.

Tanto o Talibã como os Estados Unidos procuraram – embora não em conjunto – expurgar o Estado Islâmico-K dos seus refúgios seguros no leste do Afeganistão. Mas uma análise recente no Sentinel, o jornal do Centro de Combate ao Terrorismo em West Point, disse que “continua a ser uma organização resiliente, capaz de se adaptar a dinâmicas em mudança e de evoluir para sobreviver a circunstâncias difíceis”.

Resistência e expansão

Edmund Fitton-Brown, conselheiro sênior do Projeto Contra Extremismo, com sede em Nova York, disse à CNN que o Estado Islâmico-K “tem o desejo e uma capacidade crescente de se projetar além do Afeganistão e realizar ataques regionais” no Paquistão, no Irã e na Ásia Central, apoiado por uma forte produção midiática em tadjique, uzbeque e russo.

Fitton-Brown disse que no Afeganistão o “chauvinismo pashto do Talibã ajudou o Estado Islâmico-K a recrutar outros grupos étnicos afegãos”.

O ataque mais infame do Estado Islâmico-K até agora foi o atentado suicida no aeroporto de Cabul em 2021, que matou quase 200 pessoas, incluindo 13 soldados norte-americanos que estavam de guarda no aeroporto.

O grupo continuou uma campanha de atentados suicidas e assassinatos contra os talibãs, que considera insuficientemente radicais e dependentes de potências externas. Na semana passada, um homem-bomba suicida do Estado Islâmico-K detonou seu cinturão de explosivos entre as milícias talibãs na cidade afegã de Kandahar, causando dezenas de vítimas, segundo relatos locais.

Cerimônia fúnebre das vítimas do ataque do Estado Islâmico em Kerman, Irã / 05/01/2024 Presidência do Irã /West Asia News Agency (WANA )/Divulgação via REUTERS

Mas o Estado Islâmico-K também expandiu a sua órbita. Amira Jadoon, que escreveu um livro sobre o grupo, disse que nos últimos três anos o Estado Islâmico-K “tornou-se mais ambicioso e agressivo nos seus esforços para ganhar notoriedade e relevância na Ásia Central e do Sul, lançando a sua mais agressiva campanha de propaganda multilíngue e expandindo os tipos de ataques que conduz”.

“(O grupo) efetivamente fundiu uma ampla gama de queixas regionais em sua agenda jihadista global”, disse Jadoon à CNN.

No ano passado, o grupo executou um atentado devastador contra um comício eleitoral em Baujur, no Paquistão, no qual mais de 60 pessoas foram mortas. Também estabeleceu uma posição segura na província paquistanesa do Baluchistão, na fronteira com o Irã.

Em janeiro, o Estado Islâmico assumiu a responsabilidade por dois atentados suicidas na cidade iraniana de Kerman, matando 90 pessoas e ferindo mais de 200.

Jadoon, professora associada da Universidade Clemson, disse que dada a sua “proximidade dos ataques, a sua estratégia de ataque altamente sectária, e a sua diversificada base de membros, é altamente provável que o EIK [como o grupo também é chamado] tenha desempenhado um papel no ataque de Kerman”.

Ameaça à Europa

O Estado Islâmico-K tem ambições muito além do sul da Ásia, visando atingir a Rússia, a Europa Ocidental e até os Estados Unidos. As agências de segurança europeias estão prestando maior atenção à ameaça, mesmo que as capacidades do Estado Islâmico-K ainda não correspondam às suas ambições.

Hans-Jakob Schindler, diretor sênior do Projeto Contra Extremismo, observa que em julho do ano passado sete homens foram presos na Alemanha suspeitos de planejar ataques de alto nível e de estarem em contato com planejadores do Estado Islâmico-K. Todos os suspeitos eram da Ásia Central.

Este mês, dois cidadãos afegãos foram detidos na Alemanha, acusados de fazer “preparativos concretos” para atacar o parlamento sueco em retaliação a uma onda de queimadas do Alcorão no país. Um deles aderiu ao Estado Islâmico-K no ano passado, afirmaram os promotores, e seus planos foram feitos “em estreita consulta com” os agentes do Estado Islâmico-K.

Casa de shows atacada pelo Estado Islâmico-K pega fogo perto de Moscou / 22/03/2024 REUTERS/Maxim Shemetov

Christine Abizaid, diretora do Centro Nacional de Contraterrorismo dos EUA, disse ao Congresso no outono passado que até agora “o Estado Islâmico-Khorasan tem confiado principalmente em agentes inexperientes na Europa para tentar promover ataques reivindicados”.

Fitton-Brown – ex-coordenador de sanções da ONU e avaliador de ameaças relativas ao Estado Islâmico, à Al Qaeda e ao Talibã – concordou que até agora a ameaça na Europa tem sido “ingênua e embrionária”, mas alertou que o Estado Islâmico-K “se conectou à diáspora da Ásia Central, principalmente na Rússia e na Turquia e, até certo ponto, na Alemanha”.

Ele considera o ataque de Moscou um “grande sucesso” para o grupo, demonstrando um nível de planejamento nunca antes visto fora do sul da Ásia. O Estado Islâmico afirmou que o Crocus City Hall havia sido intensamente pesquisado e reconhecido.

Uma avaliação vazada do Departamento de Defesa dos EUA no ano passado observou que “o Estado Islâmico tem desenvolvido um modelo custo-efetivo para operações externas que depende de recursos de fora do Afeganistão, de agentes em países-alvo e de extensas redes de facilitação”.

Após o ataque de Moscou, a França – que acolhe os Jogos Olímpicos este ano – elevou ao máximo o nível de ameaça terrorista. O primeiro-ministro Gabriel Attal disse que mais milhares de soldados estavam prontos para reforçar a sua força antiterrorista, acrescentando: “A ameaça islâmica é real. Estamos constantemente nos preparando para todos os cenários”.

Fitton-Brown não vê isso como alarmista. “Espero estar errado”, disse ele à CNN, “mas estou muito preocupado com as Olimpíadas de Paris”. Ele descreveu uma “tempestade perfeita” no alcance crescente do Estado Islâmico-K, a raiva ambiente entre indivíduos radicalizados pela situação em Gaza e a libertação de ex-jihadistas das prisões europeias depois de cumprirem as suas penas.

Jadoon disse que o risco da “marca do Estado Islâmico-K repercutir entre simpatizantes individuais nos países ocidentais não pode ser ignorado”. Ela explicou que, como os militantes o veem como “uma força inspiradora e crescente, pode atrair indivíduos de nações ocidentais pela sua ideologia. Isso pode levar a tentativas de indivíduos viajarem para zonas de conflito para se juntarem às suas fileiras ou realizarem ataques nos seus países de origem em nome do grupo”.

Memorial improvisado em São Petersburgo para as vítimas do ataque a tiros na sala de concertos Crocus City Hall, na região de Moscou, Rússia / 24/03/2024 REUTERS/Anton Vaganov

Ódio de Putin e a “Cruzada Oriental”

A Rússia pode ser particularmente vulnerável ao Estado Islâmico-K. Há dez anos, o então líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, denunciou “as cruzadas, os seus aliados, e com eles o resto das nações e religiões do kufr (infiéis), todos liderados pela América e pela Rússia”.

Um ano depois, a franquia do Estado Islâmico no Sinai assumiu a responsabilidade pela bomba que derrubou um jato fretado russo que voava de Sharm el-Sheikh para São Petersburgo, matando todas as 224 pessoas a bordo.

A aversão do Estado Islâmico por Vladimir Putin decorre do papel russo na Síria em apoio ao regime de Assad e às brutais guerras chechenas nos primeiros anos do século. O apoio da Rússia aos regimes autoritários na Ásia Central – que o Estado Islâmico-K descreveu como “fantoches” da Rússia – aprofundou a animosidade.

O Estado Islâmico-K também ridicularizou o Talibã por “fazer amizade com os russos, os assassinos dos muçulmanos chechenos”. Em 2022, um homem-bomba suicida do Estado Islâmico-K atacou a embaixada russa em Cabul, matando dois funcionários.

Agora está claro que o grupo está tentando se estabelecer dentro da Rússia. No início deste mês, o serviço de segurança russo – o FSB – disse ter matado dois agentes do Estado Islâmico-K na região de Kaluga que planejavam um ataque a uma sinagoga de Moscou.

Jadoon disse à CNN que “a proximidade geográfica, a inclusão de combatentes da Ásia Central nas suas fileiras e a determinada estratégia de propaganda regional e global indicam que o EI-K provavelmente desempenhou um papel neste ataque, possivelmente através do envio dos seus próprios militantes afiliados ou do fornecimento de apoio financeiro ou treinamento aos perpetradores”.

Fitton-Brown considera a Rússia extremamente vulnerável a novos ataques, com os seus serviços de segurança preocupados com a Ucrânia e com um vasto conjunto de trabalhadores imigrantes da Ásia Central, pelo menos alguns dos quais provavelmente foram radicalizados. Todos os presos desde o ataque a Crocus City são tadjiques.

Suspeitos do ataque à casa de shows Crocus, em Moscou, são transferidos para a sede do Comitê de Investigação da Rússia
Suspeitos do ataque à casa de shows Crocus, em Moscou, são transferidos para a sede do Comitê de Investigação da Rússia / Reuters

Vários ataques anteriores inspirados ou reivindicados pelo Estado Islâmico na Rússia envolveram cidadãos tadjiques, uzbeques ou quirguizes. Em 2017, um cidadão uzbeque cometeu um atentado suicida no metrô de São Petersburgo, matando 15 pessoas.

A vulnerabilidade da Rússia pode ser agravada pela facilidade de viajar a partir da Turquia. Fontes de segurança turcas confirmaram à CNN que dois dos alegados agressores da Crocus City passaram algum tempo em Istambul antes de voltarem à Rússia no início de março, um fator que Fitton-Brown considera “altamente significativo”, dada a presença de trabalhadores imigrantes tadjiques na Turquia.

Um cidadão tadjique, Shamil Hukumatov, que segundo a ONU era um dos “propagandistas e recrutadores do alto escalão mais ativos” do grupo, foi preso na Turquia no ano passado.

A atitude do governo russo, tanto antes como depois do ataque de Moscou, pode não ajudá-lo a enfrentar a ameaça.

Depois dos EUA terem alertado, no início de março, para a possibilidade de ataques terroristas em “grandes reuniões em Moscou, incluindo concertos”, Putin criticou “declarações provocativas de uma série de estruturas oficiais ocidentais. Tudo isso se assemelha a uma chantagem flagrante e a uma intenção de semear o medo e desestabilizar a nossa sociedade”.

Schindler, do Projeto Contra Extremismo, disse que mesmo que o FSB tivesse conhecimento de tais conspirações, a mobilização protetora de forças de segurança em concertos teria parecido uma contradição com o Kremlin – e teria, portanto, sido imprudente.

Após o ataque, Putin disse que este foi feito “pelas mãos de islamistas radicais”, mas foi patrocinado em outros lugares, sugerindo que a Ucrânia esteve envolvida, algo veementemente negado por Kiev e Washington. E segundo o diretor do FSB, Alexander Bortnikov, três países estiveram por trás do ataque terrorista: os EUA, o Reino Unido e a Ucrânia.

A narrativa de Moscou é que mesmo que o Estado Islâmico-K ou indivíduos inspirados por ele intensifiquem a sua campanha na Rússia, serão vistos como fantoches de forças mais obscuras. Isso pode distorcer a coleta de informações.

Para o Estado Islâmico-K, o ataque a Moscou é um golpe de Estado. Rita Katz, diretora executiva da SITE Intelligence, disse: “O apoio global do Estado Islâmico baseia-se em grande parte na sua imagem como uma organização capaz, e esse massacre devastador na Rússia apenas alimentará essa imagem”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

News Post 2025 © Todos direitos reservados