domingo, abril 14, 2024
Home Mundo EUA esperam que Irã realize ataque direto a Israel, dizem fontes; Biden alerta: Não faça isso

EUA esperam que Irã realize ataque direto a Israel, dizem fontes; Biden alerta: Não faça isso

por karolineporto
0 Comente
eua-esperam-que-ira-realize-ataque-direto-a-israel,-dizem-fontes;-biden-alerta:-nao-faca-isso

Os Estados Unidos esperam que o Irã realize ataques contra vários alvos dentro de Israel nos próximos dias e estão preparados para ajudar a interceptar quaisquer armas lançadas contra o seu aliado, disseram fontes à CNN, enquanto o governo Biden está em alerta máximo para o que poderia ser a erupção de um período significativamente volátil e imprevisível no Oriente Médio.

O presidente Joe Biden previu na sexta-feira (12) que os ataques do Irã aconteceriam “mais cedo ou mais tarde” e procurou mais uma vez emitir um severo aviso público, dizendo que a sua mensagem a Teerã era simplesmente: “Não faça isso”.

O início de um conflito entre estados entre o Irã e Israel marcaria uma grave escalada na região – um cenário que os EUA esperavam evitar desde o início da guerra entre Israel e o Hamas, em outubro.

Na sexta-feira, os EUA acreditavam que representantes iranianos também poderiam estar envolvidos nos próximos ataques, de acordo com um funcionário do alto escalão do governo e uma fonte familiarizada com a inteligência, e que os alvos provavelmente estariam dentro de Israel e ao redor da região.

A disponibilidade dos EUA para interceptar armas lançadas contra Israel marcou uma indicação clara do nível de cooperação contínua entre os dois exércitos.

Os EUA observaram o Irã movimentando recursos militares internamente, incluindo drones e mísseis de cruzeiro, sinalizando que estava se preparando para atacar alvos israelenses a partir do seu próprio território, segundo duas pessoas familiarizadas com a inteligência dos EUA.

Uma das pessoas disse que os EUA observaram o Irã preparando cerca de 100 mísseis de cruzeiro.

Não ficou claro se o Irã estava se preparando para atacar a partir do seu solo como parte de um ataque inicial, ou se estava tentando dissuadir Israel ou os EUA de conduzirem um possível contra-ataque no seu território.

Na Casa Branca na sexta-feira, Biden – respondendo a perguntas gritadas por repórteres, incluindo se as tropas dos EUA estavam em risco – enfatizou o compromisso da sua administração com a segurança de Israel.

“Estamos dedicados à defesa de Israel”, disse ele. “Apoiaremos Israel, ajudaremos a defender Israel e o Irã não terá sucesso”.

Continua a existir uma ameaça “real”, “credível” e “viável” do Irã lançar ataques, disse a Casa Branca na sexta-feira, após o ataque de Israel a um complexo diplomático iraniano na Síria na semana passada, que matou três generais iranianos.

Mísseis balísticos iranianos expostos em Teerã / 22/08/2023 Presidência do Irã/WANA (West Asia News Agency)/Divulgação via REUTERS

Biden, que alertou essa semana que o Irã ameaçava um “ataque significativo” a Israel, tem recebido atualizações constantes sobre a situação da sua equipe de segurança nacional.

Os EUA e vários outros países, incluindo o Reino Unido e a França, emitiram novas diretrizes de viagem para funcionários do governo em Israel à medida que a ameaça iraniana aumenta.

“Estamos observando isso muito, muito de perto”, disse John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, que se recusou a fornecer informações sobre o momento esperado da ameaça.

As forças da Marinha dos EUA no Mar Vermelho já interceptaram mísseis de longo alcance lançados pelos Houthis no Iêmen em direção a Israel. As forças dos EUA no Iraque e na Síria também poderiam potencialmente interceptar drones e foguetes que visam o norte de Israel, dependendo do local de onde são lançados.

O Departamento de Defesa também está transferindo recursos adicionais para a região do Oriente Médio “para reforçar os esforços de dissuasão regional e aumentar a proteção das forças dos EUA”, disse um oficial de defesa americano à CNN, enquanto Israel e os EUA se preparam para um potencial ataque iraniano.

O Pentágono tem trabalhado especificamente para reforçar as defesas aéreas das tropas dos EUA estacionadas no Iraque e na Síria, que foram atacadas por forças militantes apoiadas pelo Irã mais de 100 vezes entre outubro e fevereiro. Em janeiro, três militares dos EUA foram mortos quando um drone atravessou as defesas aéreas dos EUA na base da Torre 22, na Jordânia.

Os EUA não estão prevendo que o Irã ou os seus representantes ataquem as forças dos EUA como parte da sua retaliação, mas estão transferindo os ativos apenas para garantir.

“Seria imprudente se não analisássemos a nossa própria postura na região para garantir que estamos devidamente preparados”, disse Kirby.

Porta-voz da Casa Branca John Kirby em Washington / 4/4/2024 REUTERS/Kevin Lamarque

A CNN informou na semana passada que os EUA estavam em alerta máximo e se preparando ativamente para um ataque do Irã contra ativos israelenses ou americanos na região. Autoridades disseram que tal ataque poderia ocorrer dentro de uma semana.

Fontes dizem que Irã está cauteloso com escalada dramática

A CNN informou no início dessa semana que um ataque iraniano a Israel provavelmente seria realizado por forças militantes apoiadas pelo Irã na região, e não diretamente pelo Irã, de acordo com duas pessoas familiarizadas com a inteligência dos EUA sobre o assunto.

Teerã está receoso de uma escalada dramática nos combates, disseram as fontes, e não quer dar aos EUA ou aos seus aliados uma desculpa para atacarem diretamente o Irã.

As fontes disseram que o Irã e os seus grupos de milícias por procuração não parecem preparados para atacar as tropas dos EUA ou outros ativos na região, mas observaram que o Irã não tem comando e controle perfeitos sobre todas as suas forças militantes, por isso a possibilidade de um ataque aos ativos dos EUA não podem ser completamente excluídos.

As fontes disseram à CNN que a inteligência dos EUA avalia que o Irã instou vários dos seus grupos de milícias por procuração a lançarem simultaneamente um ataque em grande escala contra Israel, usando drones e mísseis, e que poderiam atacar já essa semana.

“A ameaça é muito clara e credível”, disse uma das fontes. “Eles colocaram as peças no lugar para conduzir o ataque agora. Apenas esperando a hora certa”.

Biden conversou com seu homólogo israelense, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, sobre a ameaça de um ataque iraniano durante um telefonema na semana passada.

O presidente dos EUA, Joe Biden, à esquerda, encontra-se com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, à direita, para discutir o conflito em curso entre Israel e o Hamas, em Tel Aviv / 18/10/2023 Miriam Alster/Pool via REUTERS

Um ataque direto a Israel por parte do Irã é um dos piores cenários para o qual a administração Biden está se preparando, pois garantiria uma rápida escalada de uma situação já tumultuada no Oriente Médio.

Tal ataque poderia levar a guerra Israel-Hamas a um conflito regional mais amplo – algo que Biden há muito procura evitar.

Biden está recebendo informações várias vezes ao dia sobre a situação, disse Kirby. Na sexta-feira as autoridades dos EUA estavam em “comunicação constante” com os seus homólogos israelenses sobre o assunto e que estavam em andamento medidas para garantir que Israel fosse capaz de se defender.

“Certamente estamos atentos a uma ameaça muito pública e ao que consideramos ser uma ameaça muito credível feita pelo Irã em termos de potenciais ataques a Israel”, disse Kirby na sexta-feira.

Ele apontou para uma visita a Israel na sexta-feira do chefe do Comando Central dos EUA, general Erik Kurilla, para ter “essas conversas diretamente com seus homólogos das Forças de Defesa de Israel”.

A viagem de Kurilla a Israel foi adiada por causa da expectativa de uma resposta iraniana ao ataque de Israel ao consulado iraniano em Damasco, na Síria, na semana passada.

Houve também uma série de conversas nas quais autoridades dos EUA instaram Israel a não agravar a situação em retaliação contra o Irã, segundo disse uma das autoridades dos EUA.

Separadamente, as autoridades americanas ficaram frustradas com os seus homólogos israelenses devido à falta de informação compartilhada por Israel antes de realizar o ataque em Damasco na semana passada, disseram fontes à CNN. Israel só informou uma autoridade dos EUA quando os seus aviões já estavam no ar a caminho da Síria, disse outro oficial americano.

“Não sabíamos com antecedência que Israel iria realizar esse ataque aéreo”, disse o oficial. “Minutos antes de acontecer e quando os aviões israelenses já estavam no ar, Israel contatou uma autoridade dos EUA para dizer que estavam em processo de condução de um ataque na Síria. Não incluía quaisquer detalhes sobre quem eles tinham como alvo ou onde seria conduzido, e o ataque já estava em andamento antes que a notícia pudesse ser transmitida ao governo dos EUA”.

Bandeira iraniana é vista enquanto fumaça sobe após o que a mídia iraniana disse ter sido um ataque israelense à embaixada iraniana em Damasco / 01/04/2024 REUTERS/Firas Makdesi

Pressão diplomática

O secretário de Estado, Antony Blinken, conversou com os ministros das Relações Exteriores da Turquia, China e Arábia Saudita para instá-los a pressionar o Irã a não agravar o conflito no Oriente Médio após ameaças feitas pelo Irã contra Israel, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, na quinta-feira (11).

Miller disse que os EUA também “se envolveram com aliados e parceiros europeus nos últimos dias” para transmitir uma mensagem semelhante sobre o Irã. A ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, e o secretário das Relações Exteriores britânico, David Cameron, conversaram com o ministro das Relações Exteriores do Irã nos últimos dias.

Blinken “tem deixado claro a todos os países que têm alguma aparência de relacionamento com o Irã que é do seu interesse usar essa relação para enviar uma mensagem ao Irã de que não devem agravar esse conflito. Mas deixarei que esses países falem por si próprios sobre as medidas que podem ou não tomar”, disse Miller.

O Departamento de Estado dos EUA restringiu as viagens de funcionários do governo dos EUA em Israel na sequência de ameaças públicas contra Israel pelo Irã.

“Por precaução, os funcionários do governo dos EUA e seus familiares estão proibidos de viajar pessoalmente fora das áreas da grande Tel Aviv (incluindo Herzliya, Netanya e Even Yehuda), Jerusalém e Be’er Sheva até novo aviso”, um alerta de segurança postado pela Embaixada dos EUA na quinta-feira dizia: “Funcionários do governo dos EUA estão autorizados a transitar entre essas três áreas para viagens pessoais”.

“O ambiente de segurança continua complexo e pode mudar rapidamente dependendo da situação política e dos acontecimentos recentes”, observou o alerta.

A França aconselhou os seus cidadãos a “absterem-se absolutamente” de viajar para o Irã, Líbano, Israel e os territórios palestinos ocupados devido ao risco de “escalada militar”, disse o Ministério das Relações Exteriores francês na sexta-feira (12).

O ministério acrescentou que as famílias dos funcionários diplomáticos da capital iraniana, Teerã, retornarão à França e os funcionários públicos serão proibidos de missões de trabalho nesses países e territórios. O ministro das Relações Exteriores francês emitiu a nova recomendação após uma reunião de crise na região, disse o ministério em uma postagem no X.

*Com informações de Oren Liebermann, Zachary Cohen, Jennifer Hansler e Piper Hudspeth Blackburn, da CNN.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

News Post 2025 © Todos direitos reservados