terça-feira, fevereiro 13, 2024
Home Mundo EUA mostram preocupações com aproximação entre Rússia e Coreia do Norte

EUA mostram preocupações com aproximação entre Rússia e Coreia do Norte

por danilomoliterno
0 Comente
eua-mostram-preocupacoes-com-aproximacao-entre-russia-e-coreia-do-norte

Observadores da Coreia do Norte em Washington concentraram-se recentemente na destruição por parte de Pyongyang, no mês passado, de um monumento dedicado à reunificação da Península Coreana.

Analistas externos vêem o movimento como um precursor da guerra com a Coreia do Sul, no meio da retórica tipicamente belicosa do líder Kim Jong Un.

Analistas da Coreia do Norte disseram à CNN sob condição de anonimato que o alvoroço em torno do arco da reunificação obscurece uma ameaça estratégica muito maior: a crescente parceria da Coreia do Norte com a Rússia.

Os responsáveis ​​pelos serviços de informações em Washington estão cada vez mais preocupados com os laços entre a Coreia do Norte e a Rússia e com as implicações a longo prazo do que parece ser um novo nível de parceria estratégica entre as duas nações, de acordo com vários ​​familiarizados com os mais recentes dados de inteligência.

A Rússia disparou repetidamente mísseis balísticos de curto alcance fornecidos pela Coreia do Norte contra alvos ucranianos nas últimas semanas.

Em Janeiro, diplomatas norte-coreanos e russos de alto escalão reuniram-se em Moscou, antes de já anunciada visita do próprio presidente russo, Vladimir Putin a Pyongyang – a primeira em mais de 20 anos.

A administração Biden está tão preocupada que o conselheiro de segurança nacional, Jake Sullivan, levantou questão com o ministro das Relações Exteriores da China durante uma reunião em janeiro, disse um alto funcionário da Casa Branca a repórteres no final do mês passado.

Se a Coreia do Norte conseguir utilizar uma relação mais estreita com a Rússia para afrouxar a influência da China, temem as autoridades, isso poderá remover o que alguns acreditam ter sido um importante freio de mão ao programa de testes nucleares de Pyongyang.

“Acho que [Kim] está constantemente em busca de algum tipo de vantagem”, disse um alto funcionário da defesa.

Um alto funcionário do governo disse aos repórteres no final de janeiro: “Estamos profundamente preocupados com os recentes testes de armas. Estamos profundamente preocupados com a crescente relação entre a Rússia e a RPDC [República Popular Democrática da Coreia] e o que isso pode significar para as intenções do Sr”.

Jeffrey Lewis, especialista em Coreia do Norte e professor do Instituto Middlebury de Estudos Internacionais, disse que Pyongyang há muito procura equilibrar a influência chinesa sobre os seus assuntos, prosseguindo o diálogo com outras nações – incluindo a União Soviética e, mais tarde, os Estados Unidos.

A recém-formada parceria transacional da Coreia do Norte com Moscou é melhor compreendida como Kim aproveitando a oportunidade para ter espaço de manobra com a China, disseram Lewis e outros.

Riscos para os EUA

Os riscos que o relacionamento representa para os interesses dos EUA são numerosos, de acordo com vários analistas, tanto dentro como fora do governo.

Embora Lewis e outros acreditem que os EUA sobrestimam frequentemente o grau de controlo que Pequim tem sobre a Coreia do Norte, eles têm influência e procuram garantir a estabilidade na península.

Mas a Coreia do Norte está “aterrorizada com a possibilidade de os chineses assumirem o controlo funcional do país, não com um exército, mas cultural e financeiramente”, disse Lewis. A Rússia é “uma aliança muito natural que lhes permite reduzir a sua dependência da China”.

Uma infusão de dinheiro russo – e potencialmente de tecnologia russa – em troca de mísseis norte-coreanos também poderia impulsionar a base industrial de defesa da Coreia do Norte, permitindo a Pyongyang atualizar os seus arsenais de munições convencionais e dando à sua economia um impulso.

Isso, por sua vez, poderia acelerar o seu programa de desenvolvimento de mísseis.

O comércio com a Rússia também poderá enfraquecer ainda mais o regime de sanções que os EUA impuseram à Coreia do Norte, acelerando também a sua economia e potencialmente reforçando o seu programa de desenvolvimento de armas.

E talvez o mais alarmante seja o fato de os mísseis norte-coreanos no campo de batalha russo poderem funcionar como um anúncio para novas vendas a outros regimes.

“Estas são ferramentas de campo de batalha credíveis e, se a Coreia do Norte conseguir vendê-las, isso permitir-lhes-á construir mais e ajudar na sua implantação doméstica – e, claro, teria um efeito de bola de neve para encontrar ainda mais clientes”, disse Sydney Seiler. o oficial de inteligência nacional da Coreia do Norte no Conselho Nacional de Inteligência até 2023.

Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

News Post 2025 © Todos direitos reservados