domingo, abril 14, 2024
Home Mundo Leia na íntegra o que Lula falou após reunião com o presidente o Egito

Leia na íntegra o que Lula falou após reunião com o presidente o Egito

por Leo Lopes
0 Comente
leia-na-integra-o-que-lula-falou-apos-reuniao-com-o-presidente-o-egito

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fez uma declaração à imprensa, nesta quinta-feira (15), após se reunir com o presidente do Egito, Abdul Fatah Al-Sisi, no Palácio Presidencial, no Cairo.

Lula comentou o conflito entre Israel e Hamas na Faixa de Gaza e disse que o comportamento de Israel não tem nenhuma explicação: “Está matando mulheres e crianças.”

Leia abaixo a íntegra do que Lula disse

“Bem, antes de ler a minha declaração à imprensa, eu queria dizer ao presidente Al-Sisi que é uma alegria muito grande retornar ao Egito. E, num momento importante da política mundial.

Num momento em que deveríamos estar falando no aumento da produção de alimentos para o mundo, num momento em que a gente deveria estar falando em crescimento econômico, distribuição de renda e geração de empregos, nós estamos falando em guerras.

Em guerras que muitas vezes são tomadas da formas mais insana possível. Porque nós temos a guerra entre a Rússia e a Ucrânia, que por mais que eu procure explicação eu não encontro uma explicação por que a ONU não tem força suficiente para evitar que essas guerras aconteçam, antecipando qualquer aventura, porque a guerra não traz benefício a ninguém. Traz morte, destruição e sofrimento. E também pela guerra na Faixa de Gaza.

O Brasil foi um país que condenou de forma veemente a posição do Hamas no ataque a Israel e ao sequestro de centenas de pessoas. E nós condenamos e chamamos o ato de ato terrorista.

Mas não tem nenhuma explicação o comportamento de Israel, a pretexto de derrotar o Hamas, estar matando mulheres e crianças, coisa jamais vista em qualquer guerra que eu tenha conhecimento.

E o que é lamentável, presidente, é que as instituições multilaterais que foram criadas para ajudar a solucionar esses problemas, elas não funcionam.

Por isso, o Brasil está empenhado, esperamos contar com o apoio do Egito, para que a gente consiga fazer as mudanças necessárias nos órgãos de governança global.

É preciso que o Conselho de Segurança da ONU tenha outros países participando. Outros países da África, outros países da América Latina participando.

É preciso que tenha uma nova geopolítica na ONU. É preciso acabar com o direito de veto dos países. E é preciso que os membros do conselho de segurança sejam atores pacifistas, e não atores que fomentam a guerra.

As últimas guerras que tivemos, a invasão ao Iraque não passou pelo Conselho de Segurança da ONU. A invasão à Líbia não passou pelo Conselho de Segurança da ONU.

A Rússia não passou pelo Conselho de Segurança para fazer a guerra com a Ucrânia. E o Conselho de Segurança não pode fazer nada na guerra entre Israel e a Faixa de Gaza.

A única coisa que se pode fazer é pedir paz pela imprensa, mas que me parece que Israel tem a primazia de não cumprir nenhuma decisão emanada da direção das Nações Unidas.

Então é preciso que a gente tome uma decisão. E eu não poderia deixar de começar toda a minha conversa agradecendo ao presidente Al-Sisi em ajudar o Brasil para que a gente conseguisse retirar os brasileiros e as brasileiras que estavam na Faixa de Gaza.

Eles atenderam nosso embaixador, conversaram muito, e nós conseguimos retirar praticamente quase duas mil pessoas que estavam em Israel e uma boa parte delas na Faixa de Gaza. Então, eu quero publicamente agradecer ao presidente Al-Sisi.

Eu tenho a satisfação de voltar ao Cairo vinte anos depois de ter sido o primeiro presidente brasileiro a visitar o Egito. Eu às vezes penso que o Brasil estava fora do mundo, porque também nós fomos o primeiro presidente a visitar Beirute e vários países do Oriente Médio.

Porque me parece que o Brasil não tinha vocação de fazer política externa olhando o Mapa Mundi. Olhávamos para os Estados Unidos e para a Europa e esquecíamos o resto do Planeta Terra.

Então nós resolvemos fazer isso e por isso eu vim aqui ao Egito logo no meu primeiro ano de mandato em 2003.

Retorno agora para celebrar o centenário do estabelecimento de relações diplomáticas entre nossos países. Hoje, como em 2003, minha visita tem por objetivo aproximar o Brasil dos países da África e do Oriente Médio.

As relações com o Egito ocupam papel singular nessa trajetória.

Na reunião que mantive com o presidente Al-Sisi discutimos temas e ações que farão nossa cooperação voltar a crescer na esfera bilateral e se expandir nos foros multilaterais.

Propus ao presidente elevar nossas relações ao nível de Parceria Estratégica. Porque dois países que são importantes nos seus continentes, que têm o tamanho das populações que têm o Egito na África e o Brasil na América Latina, não podem ter uma relação pequena.

A nossa relação tem que ser muito forte, muito grande, e envolver todas as atividades possíveis, da agricultura à defesa, da ecnomia à ciência e tecnologia, da nossa relação conjunta para tentar democratizar o funcionamento das Nações Unidas, no campo da educação, no campo da cultura.

Eu espero que os companheiros do Egito e o nosso presidente possam estabelecer conosco essa parceria estratégica, até porque o nosso fluxo na balança comercial de 2 bilhões e 800 milhões de dólares é muito pequeno para o tamanho das nossas economias e para o tamanho das nossas necessidades.

E eu disse ao presidente Al-Sisi que nós queremos uma relação comercial de ganha-ganha, uma relação em que os dois países ganham. Nós não queremos uma relação comercial de uma mão só.

O que nós queremos é comprar e vender, vender e comprar, para que o resultado final seja uma balança comercial equilibrada e que todos os entes estejam satisfeitos vendendo e comprando e vendo as nossas economias crescerem.

Somos dois grandes países em desenvolvimento que apostam na promoção do desenvolvimento econômico e social como pilares para a paz e segurança. Combatemos todas as manifestações de racismo, xenofobia, islamofobia e antissemitismo.

O Brasil voltou a apoiar a iniciativa egípcia de criação de uma Zona Livre de Armas no Oriente Médio, à semelhança do que já existe na América Latina.

No G20, contamos com o apoio do Egito para fazer da Presidência brasileira um sucesso, em especial nas duas iniciativas que vamos lançar: a Aliança Global contra a Fome e a Pobreza e a Mobilização Global contra a Mudança do Clima.

Queremos também promover ampla discussão sobre a dívida externa dos países africanos. Mesmo com a presença permanente da União Africana no G20 a partir deste ano, a sub-representação do continente ainda demanda pelo menos dois novos países da África como membros plenos.

No BRICS, vamos trabalhar juntos pela reforma da ordem global e na construção da paz, especialmente num momento em que ressurgem pressões protecionistas e conflitos que penalizam os países mais pobres.

A consolidação do BRICS como principal espaço de articulação dos países emergentes é uma avanço inegável em prol de um mundo multipolar. Atuaremos pela criação de unidade de valor comum nas transações comerciais e de investimento do BRICS, como forma de contornar a dependência mundial de uma única moeda.

O ingresso do Egito como membro do Banco do BRICS também representa um marco na colaboração efetiva entre as economias emergentes.

Nossa coordenação com outras nações em desenvolvimento é fundamental para o sucesso da Conferência das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP-30), que organizaremos no Brasil em 2025.

E que nós precisamos ter noção de que vamos precisar muito da ajuda e da experiência do Egito que organizou a COP-27 em 2022.

Meu primeiro compromisso internacional antes mesmo de tomar posse e meu atual mandato foi a COP-27 aqui no Egito, a convite do Presidente Al-Sisi.

O comércio bilateral cresce e há espaço para diversificar nosso intercâmbio ainda concentrado em poucos produtos. O Egito é hoje o segundo maior parceiro comercial do Brasil na África, com intercâmbio bilateral que chega a 2,8 bilhões. Nossos países já se beneficiam do acordo Mercosul-Egito, que entrou em vigor em 2017.

Para avançar agora na maior integração entre nossos empresários, propus a negociação de acordo de cooperação e facilitação de investimentos.

Assinamos nesta visita importantes acordos nas áreas de ciência e tecnologia e agricultura, que contribuirão para o desenvolvimento de áreas estratégicas.

A entrada em vigor de acordo no setor aéreo permitirá voos diretos Brasil-Egito e favorecerá maior intercâmbio entre nossos países.

Tratamos também da trágica situação humanitária na Faixa de Gaza.
De qualquer ângulo que se olhe, a escala da violência cometida contra os 2 milhões de palestinos em Gaza não encontra justificativa.
Sempre vimos o Egito como um ator essencial na busca de uma solução para o conflito entre Israel e Palestina.

Expressei a gratidão do meu governo ao presidente Al-Sisi pelo seu engajamento pessoal na repatriação dos brasileiros.

É urgente estabelecer um cessar-fogo definitivo que permita a prestação de ajuda humanitária sustentável e desimpedida, a imediata e incondicional liberação dos reféns.

O Brasil é terminantemente contrário a tentativas de deslocamento forçado do povo palestino.

Por esses motivos, entre outros, o Brasil se manifestou em apoio ao processo instaurado na Corte Internacional de Justiça pela África do Sul.

Não haverá paz sem um Estado palestino, convivendo lado a lado com Israel, dentro de fronteiras mutuamente acordadas e internacionalmente reconhecidas.

Tenho certeza de que hoje estamos inaugurando um novo e importante capítulo de nossas relações bilaterais.

Por isso, eu quero agradecer, presidente, o carinho do povo do Egito e o seu carinho pessoalmente.

Muito obrigado.”

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

News Post 2025 © Todos direitos reservados