terça-feira, fevereiro 20, 2024
Home Mundo Mais de um milhão de palestinos estão presos em Rafah sem ter para onde fugir

Mais de um milhão de palestinos estão presos em Rafah sem ter para onde fugir

por Luciana Caczan
0 Comente
mais-de-um-milhao-de-palestinos-estao-presos-em-rafah-sem-ter-para-onde-fugir

Os palestinos deslocados, amontoados em tendas em Rafah, aguardam com pavor um antecipado o ataque terrestre israelense à cidade – sem ter para onde fugir quando as tropas entrarem.

A estimativa é que um milhão de pessoas estejam amontoadas numa cidade de tendas no sul de Gaza, e imagens de satélite mostram que o abrigo improvisado está se ampliando rapidamente.

Outros estão amontoados em casas na cidade, onde os ataques com foguetes já são comuns.

“Ouvimos (drones) muito, muito alto e ouvimos sons de bombardeios à noite”, disse Kareem Dahman, um palestino deslocado na cidade, à CNN. O atentado mais recente ocorreu “muito perto” de onde Dahman mora, com mais de uma dúzia de familiares num único cômodo da casa de um amigo, disse ele.

Ele disse que as condições em Rafah são “muito difíceis”, descrevendo um “grande número de pessoas, caos e preços elevados”.

Dahman, como inúmeros outros, se viu na cidade após uma viagem “muito árdua” pelo território cercado. Rafah foi o último refúgio para os palestinos que viajaram para o sul para evitar as campanhas aéreas e terrestres de Israel, seguindo ordens dos oficiais das Forças de Defesa de Israel (FDI) para que os palestinos deixassem a Cidade de Gaza, e depois Khan Younis, à medida que sua campanha terrestre avançava mais para o sul.

Rafah tem sido alvo de ataques aéreos das forças israelenses há meses, mas a nova campanha terrestre prevista traz com ela o receio de um massacre.

Aqueles presos na cidade não têm nenhuma outra rota de fuga. A cidade faz fronteira com o Egito e a passagem para aquele país está fechada há meses.

“Estávamos comprando alguns suprimentos em uma pequena mercearia. A última vez que compramos foi ontem”, disse Dahman à CNN. “De manhã fomos comprar coisas e descobrimos que havia sido bombardeado.”

“O bombardeio está se aproximando lentamente em Rafah”, disse ele. “Não sabemos para onde iremos depois de Rafah.”

‘Todos estão com medo’

Palestinos aguardam por comida em Rafah / 5/2/2024 REUTERS/Ibraheem Abu Mustafa

Os líderes israelenses se voltaram para Rafah nos últimos dias, alegando que a cidade é o último reduto do Hamas e que a liderança do grupo militante, incluindo o líder de Gaza, Yahya Sinwar, está “à solta”.

O ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, disse na segunda-feira (5) que os militares “em breve alcançarão seus objetivos” ao avançarem para Rafah.

Em um pronunciamento televisionado, Gallant afirmou que Sinwar não teve contato com seus combatentes e foi forçado a fugir de um esconderijo para outro com as FDI em sua perseguição. “Ele não está liderando as forças; ele está ocupado com sua própria sobrevivência. Ele se tornou, em vez do chefe do Hamas, um terrorista fugitivo”, disse Gallant.

“Estamos cumprindo as nossas missões em Khan Younis e também chegaremos a Rafah e eliminaremos os elementos terroristas que nos ameaçam”, disse Gallant numa declaração anterior do seu ministério na quinta-feira.

Mas para os mais de um milhão de palestinos na cidade do sul, a esperada invasão de Rafah causa alarme e medo.

“Todos temem a expansão da operação terrestre em Rafah”, disse Raed Al-Nims, diretor de mídia da Sociedade do Crescente Vermelho Palestino em Gaza, na segunda-feira.

Palestinos recebem ajuda em Rafah / 1/2/2024 REUTERS/Ibraheem Abu Mustafa

Ismail Al-Thawabta, chefe do Gabinete de Comunicação Social do Governo administrado pelo Hamas em Gaza, disse à CNN na segunda-feira que a entrada das FDI em Rafah “causará um verdadeiro desastre, além dos desastres a que a Faixa de Gaza está exposta”.

Mais de metade dos cerca de 2 milhões de pessoas em Gaza procuram refúgio na área de Rafah, de acordo com o Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA).

O OCHA disse na segunda-feira que os refugiados que enfrentam uma grave escassez de alimentos, água, abrigo e medicamentos continuam a chegar a Rafah à medida que os combates se agravam nas proximidades.

“Compramos diariamente comida e bebida, que são conservas de feijão e carne. A água está disponível, mas precisamos de uma hora para abastecer uma estação de água”, disse Dahman à CNN.

“A eletricidade é quase inexistente”, acrescentou, um fato que torna difícil para os palestinos verem as comunicações sobre a abordagem das FDI. “Carregamos nossos celulares com energia solar, que está disponível na casa do nosso amigo em Rafah”, disse ele. “Não há sinal telefônico, exceto nas redes israelense e egípcia.”

Dahman e sua família deixaram a cidade de Gaza em meados de outubro, dias depois dos ataques do Hamas em 7 de outubro contra Israel terem desencadeado um bombardeio das FDI na cidade. Em novembro, foram para Khan Younis, antes de serem novamente retirados em dezembro e seguirem para Rafah.

Uma viagem semelhante foi feita por Youssef Abu Kwaik, um palestino deslocado de 23 anos que trocou Khan Younis por Rafah há cerca de três meses.

“Moramos em tendas na área de Mawasi, em Rafah. Somos em mais de 20 pessoas”, disse ele à CNN. É difícil encontrar comida e bebida, “e se estiverem disponíveis, estão a preços muito altos”, disse ele.

“Quanto aos suprimentos médicos, eles são completamente inexistentes”, acrescentou.

O escritório humanitário da ONU emitiu avisos regulares sobre a situação no terreno, chamando a cidade de “panela de pressão” na semana passada.

“Nos últimos dias, milhares de palestinos continuaram a fugir para o sul, que já acolhe mais de metade da população de Gaza, cerca de 2,3 milhões de pessoas. A maioria vive em estruturas improvisadas, tendas ou ao ar livre”, disse um porta-voz do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), Jens Laerke, numa conferência de imprensa.

“Rafah é uma panela de pressão de desespero e tememos pelo que vem a seguir”, disse ele.

Richard Greene, Lauren Izso, Niamh Kennedy e Gianluca Mezzofiore da CNN contribuíram com reportagens.

Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

News Post 2025 © Todos direitos reservados