quinta-feira, maio 23, 2024
Home Mundo Meio-dia contra Putin: oposição pró-Navalny planeja protesto em dia de votação

Meio-dia contra Putin: oposição pró-Navalny planeja protesto em dia de votação

por gustavozanfer
0 Comente
meio-dia-contra-putin:-oposicao-pro-navalny-planeja-protesto-em-dia-de-votacao

Com Alexei Navalny morto e enterrado em um cemitério de Moscou e outros políticos anti-Kremlin no exílio ou presos, a oposição da Rússia está em declínio. Mas no domingo, quando os russos forem às urnas, os opositores do presidente Vladimir Putin farão um protesto simbólico que esperam que tenha repercussão.

Numa ação que chamam de “Meio-dia contra Putin”, os apoiadores de Navalny estão pedindo aos russos que se opõem ao líder veterano do Kremlin que se dirijam à assembleia de voto local exatamente ao meio-dia, façam fila para obter um boletim de voto em papel e depois votem de uma forma que expresse um protesto ou complique a vida das autoridades.

As sugestões incluem estragar o boletim de voto, escrever “Alexei Navalny” no papel, ou mesmo votar num dos três candidatos que se candidatam contra Putin – embora a oposição os considere como “fantoches” do Kremlin – numa tentativa de reduzir a contagem de votos de Putin.

Navalny endossou o plano antes de morrer, numa mensagem nas redes sociais facilitada pelos seus advogados. O jornal independente Novaya Gazeta chama a ação planejada de “testamento político de Navalny”.

Nem mesmo o mais feroz crítico do Kremlin acredita que a ação – que as autoridades já deixaram claro que consideram ilegal – fará alguma coisa para mudar o fato de que Putin será certamente declarado vencedor das eleições presidenciais de 15 e 17 de março por uma vitória esmagadora.

No controle de todas as alavancas do poder, com a comunicação social estatal nas suas costas e com uma campanha moldada em torno da vitória na guerra na Ucrânia e da modernização das infraestruturas da Rússia, o Kremlin diz que Putin conta com um apoio público esmagador.

O índice de aprovação de Putin é de 86%, segundo o Levada Center, o instituto de pesquisas mais conhecido do país.

Mas a ideia do protesto de domingo, dizem aqueles que o apoiam, é elevar o moral coletivo após a morte de Navalny numa prisão no Ártico no mês passado, mostrar aos russos que se opõem a Putin que não estão sozinhos e mostrar ao mundo que nem todos os russos apoiam a sua posição do líder.

“Ele [Putin] apontará os seus 80 ou 90%, mas será possível explicar numa linguagem muito simples a qualquer pessoa no mundo – olhem as fotografias, vejam quantas pessoas se reuniram ao meio-dia, apesar de todas as ameaças e repressão, para mostrar que estão contra Putin. Portanto, é uma ação muito importante”, disse Ivan Zhdanov, um aliado de Navalny, aos seus apoiantes este mês.

Avisos

Participar do protesto, no entanto, acarreta alguns riscos.

As autoridades, que veem os apoiantes de Navalny como extremistas apoiados pelos EUA com o objetivo de desestabilizar a Rússia e perturbar as eleições, já começaram a enviar cartas de advertência e bloquearam o site oficial da ação de protesto dentro da Rússia.

O Kremlin deixou claro que considera qualquer apelo à ação dos aliados de Navalny – que estão baseados fora da Rússia – como provocativos e afirma que a polícia reprimirá qualquer comportamento ilegal.

Maria Andreeva, cujo marido tem lutado na Ucrânia e que se juntou a protestos com outras esposas de militares exigindo a desmobilização dos seus homens, publicou uma carta de advertência que recebeu de um procurador de Moscou, enviada em 13 de março.

A promotora disse que recebeu a carta porque havia republicado um vídeo em suas redes sociais sobre o evento.

A carta dizia que o procurador considerou a sua ação como um sinal de que estava se preparando para participar no que chamou de um evento público ilegal e não autorizado que “apresentava sinais de atividade extremista”.

Andreeva, disse, poderia enfrentar todas as consequências da lei se não tomasse cuidado.

A resposta de Andreeva em sua conta no Telegram foi desafiadora: “Tenho o direito de aparecer quando quiser e votar em quem eu quiser”.

O outro risco para a oposição é que a participação desaponte e a sua credibilidade seja prejudicada. Com a vasta extensão territorial da Rússia se estendendo por 11 fusos horários, os eleitores em protesto estarão dispersos em vez de concentrados numa única massa.

Algumas empresas estatais aconselharam os funcionários a votar na sexta-feira em vez de no domingo, e as autoridades de algumas regiões estão organizando eventos de entretenimento para coincidir com o protesto do meio-dia, numa aparente tentativa de afastar as pessoas dele.

Mikhail Khodorkovsky, um magnata exilado e crítico de Putin, disse esta semana que, no mínimo, a mensagem de protesto seria notada pelas dezenas de milhares de funcionários eleitorais envolvidos na contagem dos votos.

Outros são mais pessimistas. “Ninguém espera que este seja o início da revolução”, disse Vladimir Ashurkov, assessor de Navalny baseado em Londres, numa entrevista.

Andrei Kolesnikov, pesquisador sênior do Carnegie Russia Eurasia Center, disse que Putin teria uma vitória esmagadora de qualquer maneira.

“Nenhuma votação às 12 horas poderá abalar a legitimação de Putin pela maioria passiva dependente do Estado econômica e politicamente”, disse ele.

(Edição de Alex Richardson)

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

Facebook Twitter Youtube Linkedin Envelope Instagram

categorias noticias

noticias recentes

Charles 3º aparece com Camilla em seu primeiro cartão de Natal como rei Após 25 dias, cápsula de missão lunar sem tripulação cai no Oceano Pacífico Após contagem regressiva, luzes de árvore de Natal de Lisboa falham e vídeo...

as mais lidas

Charles 3º aparece com Camilla em seu primeiro cartão de Natal como rei Após 25 dias, cápsula de missão lunar sem tripulação cai no Oceano Pacífico Após contagem regressiva, luzes de árvore de Natal de Lisboa falham e vídeo viraliza “Nossa simples existência é ilegal”: russos LGBTQIA+ temem pelo futuro

News Post 2025 © Todos direitos reservados